Voltar para os artigos

Cachorros que fogem

Seu cachorro quer voltar para casa!

Bife com Medalha de Identificação

Tem coisas que a gente acha que nunca acontecerão conosco. Ser roubado. Bater o carro. Ser o último a saber. Perder alguém muito querido… Embora a gente não imagine se deparar com uma situação destas (e tomara que nunca mesmo!),elas acontecem todos os dias, com milhares de pessoas. Mesmo “sabendo” que nunca seremos assaltados, tomamos cuidado para não sermos pegos de surpresa, evitando lugares e horários perigosos. Somos cautelosos na direção e ficamos mais atentos quando as condições do tempo e das estradas não são favoráveis. Mas o que fazemos quando o nosso receio é perder alguém querido?

 

Se estivermos falando da perda definitiva de alguém a quem amamos – a morte –muitas vezes não há muito que fazer, a não ser viver intensamente os dias que ainda temos pela frente. Mas existe outro tipo de perda muito comum e a qual nos imaginamos imunes. Esta, felizmente, pode ser prevenida de maneira simples para que não seja “para sempre”. Estou falando dos nossos peludos que fogem, se perdem e não têm como achar o caminho de volta para casa.

Mesmo que não existam números oficiais, sabemos que cachorrinhos que se perdem todos os dias. Basta observar os peludos abandonados na rua para imaginar que eles já tiveram uma casa, uma família, carinho, conforto… São tantos cães à mercê da sorte, passando fome, sede, frio, medo, sofrendo maus tratos, atropelados…

Muitas vezes eles parecem verdadeiramente perdidos e desorientados. Alguns até carregam uma coleira velha no pescoço, sem nenhuma identificação que permita devolvê-los aos seus donos originais. Se o peludo der muita sorte, pode ser recolhido por uma nova família que vai tratá-lo bem, mas não é isso que acontece com a maioria.

E pensar que todo esse sofrimento pode acabar com uma medalha de identificação! Uma plaquinha simples, com nome e telefone, pode fazer com que seu cão volte para casa em segurança, o mais rápido possível. Mas a gente sempre acha que isso nunca vai acontecer com a gente. Nossos cães nunca vão fugir! Mas eles fogem…

 

Para ser realmente efetiva, a medalha de identificação deve estar no pescoço do seu peludinho 24 horas por dia, pois escapadas não acontecem com hora marcada. É importante que ela esteja em perfeita condição de leitura, com os telefones atualizados e bem presa à coleira dele.

 

Aliás, nunca deixe enforcadores no pescoço do seu cão sem supervisão, pois se eles se prenderem a algum galho ou saliência, seu bicho pode acabar realmente enforcado. Para o dia a dia use sempre uma coleira de nylon, bem resistente e leve.

 

E se você está pensando que o seu peludo ou peluda nunca vai fugir porque lhe ama incondicionalmente, saiba que os motivos mais comuns para uma boa escapada não estão relacionados à falta de amor e de “gratidão” do bicho. Muitas vezes são puramente hormonais ou instintivos.

Bife com Medalha de Identificação


OS PRINCIPAIS MOTIVOS PARA OS PELUDOS SAIREM POR AÍ SÃO:

 • A cadela está no cio, ou o macho sente o cheiro de uma cadela no cio pela vizinhança.

• O instinto de caça é muito forte ou o seu peludo é muito curioso e quer reconhecer o território, principalmente se for um cão jovem;

• Por medo de trovoadas, fogos, ou mesmo ansiedade de separação (medo de ficar sozinho);

• A família se mudou para um novo endereço e o cão foi recém-introduzido a um novo território;

• O cão sai à procura de seus donos que viajaram e estão fora de casa por vários dias consecutivos;

• O cão está em uma hospedagem ou local que não reconhece como seu território ou a casa de sua família humana;

• Cães velhinhos ou doentes tendem a ficar desorientados com maior frequência e podem se perder mesmo em trajetos e lugares conhecidos;

• Mesmo sem que os donos saibam, o cão pode estar sofrendo maus-tratos por alguém que frequenta a casa;

Além de manter sempre uma medalha de identificação no seu peludinho, não custa nada ter alguns cuidados extras para evitar que ele saia de casa e acabe se perdendo.

• Se a sua casa é do tipo que tem “entra e sai” o tempo todo e o portão dá direto para a rua, considere colocar um segundo portãozinho. Pode até ser um portão removível como o Tubline. A ideia é que as pessoas tenham que abrir um portão e fechá-lo atrás de si antes de abrir o outro. Assim fica mais fácil controlar os peludos que gostam de forçar sua passagem por meio das nossas pernas.

• Nos dias de jogos de futebol, festas de fim de ano ou comemorações com fogos, coloque seu peludo dentro de casa. Deixe-o ficar em um lugar quietinho, com água disponível e uma caminha. Tome cuidado com janelas e portas de vidro, pois alguns cães ficam tão desesperados que tentam atravessá-las. Alguns peludos ficam mais confortáveis em lugares bem pequenos (um quartinho, ou debaixo de algum móvel). Outros preferem liberdade para correr e latir. Observe seu cão e escolha o melhor lugar para ele.

• Se o peludo fica em canil, considere telar toda a parte de cima. Tem muito cachorro que escala as telas laterais e empurra as telhas para fugir.

• Considere com carinho a possibilidade de castrar o seu amigão se você não pretende ser um criador. A castração traz, em média, mais três anos de vida saudável para ele ou ela. O cio é um dos grandes causadores de fugas, seja por parte da fêmea que precisa encontrar um parceiro, ou por parte do macho que sai para a “farra” e se perde no mundo. Lembre-se que o ciclo reprodutivo dos cães não está relacionado com a afetividade, como acontece com os humanos, mas é apenas uma manifestação hormonal. Seu cão vai viver muito mais e muito mais feliz se ele for castrado. É verdade! Pergunte a qualquer pessoa que tem um cachorrinho castrado e você vai ver como todos ficam muito mais felizes e nunca há arrependimento envolvido.

• Não permita que o seu cão saia para passear sozinho. Deixar a porta aberta para ele dar a sua voltinha sem a companhia de um humano pode parecer conveniente e prático, mas coloca o seu cão à mercê de inúmeros riscos. Ele pode se perder, ser roubado, atropelado, atacado por outro cão. Uma voltinha com você vai fazer muito bem para os dois.

• Se você se mudou recentemente, apresente seu cachorro para o porteiro do prédio ou condomínio e peça para ele segurar o seu cão, caso o peludo apareça por lá sozinho. Você pode até deixar uma pequena guia e um potinho de biscoito para cães para ajudá-lo a “cercar” o bicho.

Bife com Medalha de Identificação


E O QUE FAZER SE O SEU PELUDO SUMIR?

• Não perca tempo. Assim que você se der conta que seu cão não está por perto, saia imediatamente para procurá-lo. Quanto mais cedo você for atrás dele, maiores serão as chances de encontrá-lo. Quase 40% dos cães são encontrados nas primeiras 24 horas.

• Não restrinja a área de busca a poucas quadras. Cerca de 30% dos cães são encontrados entre 2 e 4 km de distância de sua casa.

• Enquanto você vai procurando, avise a todos os pet shops, clinicas veterinárias, casas de ração e pessoas conhecidas que você for encontrando pelo caminho.

• Peça para alguém da família ir imprimindo alguns folhetos ou cartazes com a foto do seu pequeno, nome e telefone de contato. Cole estes folhetos em pontos de ônibus, de táxis ou vans, padarias, farmácias, bancas de jornal e em postes (principalmente perto de clínicas veterinárias e escolas). Não coloque todos os detalhes que possam identificar seu cachorro, como marcas e cicatrizes, para você eliminar possíveis enganos ou má fé das pessoas. Considere incluir um aviso de recompensa pela devolução do seu amigão. Cerca de 70% dos cães são encontrados com a ajuda de outras pessoas.

• Vá aos abrigos de cães próximos e também ao Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) da sua cidade. Deixe seus dados e de um amigo ou parente para contato.

(estatísticas retiradas do site http://www.encontre-me.org)


E O QUE VOCÊ DEVE FAZER SE ACHAR UM CACHORRINHO?

• Em primeiro lugar, por favor, não ignore um cachorro que parece perdido na rua. Você pode ser a única chance que ele tem de se manter vivo e voltar para a casa.

• Se você acha que um cachorro parece perdido e confuso, tente se aproximar com calma. Agache-se e chame-o na sua direção. Procure olhar de lado para ele, evite encará-lo nos olhos e ofereça sua mão para ser cheirada. Nunca vá colocando a mão diretamente no bicho, principalmente se ele estiver machucado, assustado e arredio. Dê um tempo: o mais provável é que ele se aproxime de você aos poucos e deixe ser tocado. Experimente usar alguma comida como atrativo.

• Se for preciso use o seu cinto para improvisar uma coleira. Procure falar palavras carinhosas enquanto mostra a coleira improvisada. Cachorros perdidos costumam demonstrar boa vontade com pessoas que querem resgatá-los.

• Verifique se o peludo tem uma Medalha de Identificação. Se este for o caso, entre em contato imediatamente com o telefone informado. Deixe recado se ninguém atender ao telefone, pois as pessoas podem estar na rua procurando o peludo.

• Se o bicho não tiver nenhuma plaquinha de identificação, procure um veterinário e verifique se o cachorro tem algum microchip – hoje em dia são muito comuns, principalmente em cães de raça, e possuem informações que podem identificar o dono do bichão. Verifique também se o animal tem uma tatuagem (normalmente na orelha ou na parte interna da coxa). Tanto no caso da tatuagem como no do microchip, é interessante entrar em contato com o Kennel Clube da sua cidade para obter com eles a possível identificação do animal e do seu dono.

• Avise aos pet shops, veterinárias, casa de ração e vizinhos da sua região. Considere colocar cartazes em locais bem movimentados avisando que um cão foi encontrado, mas não detalhe todas as características do bichinho. Todo esforço vale a pena para tentar encontrar o dono do peludo.

Se depois de todos os esforços ninguém aparecer e você decidir ficar com ele, redobre o cuidado, porque provavelmente ele tentará fugir várias vezes antes de se sentir em casa e confiante. Não é incomum que o cão tente voltar para sua casa original por uns quatro meses depois de ter sido recolhido. Isso não quer dizer que ele não lhe ame, nem que é “ingrato”, é apenas um instinto natural de tentar retornar para a sua matilha. Tenha paciência e seja gentil com o peludo que ele acaba sossegando.

É claro que você vai colocar uma medalha de identificação no seu bicho. Mas não se esqueça de verificar periodicamente se ela ainda está legível, se não há perigo de quebrar e se a argolinha ou fecho ainda estão bem firmes para ela não cair.
Se você costuma viajar bastante, ou se o seu celular fica em uma área onde ele não pega bem, considere colocar o telefone de um parente ou amigo que possa agir rapidamente caso ninguém consiga falar com você. Mantenha seus telefones sempre atualizados.

Se o seu peludinho tem alguma condição de saúde que exija atenção, você pode incluir este dado na medalha também. Por exemplo: Rex – diabético, ou Floc – cardíaco

Uma Coleirinha com Medalha de Identificação é o presente mais precioso que você pode dar ao seu cão. É a maneira mais simples de você se precaver de um desespero imenso em não saber se vai recuperar seu peludo ou não. É muito fácil e não custa muito.

E se você colocar a medalha em uma das lindas Coleiras importadas da Coastal o seu peludo será, com certeza, o mais bonito do bairro!

 

Bife com Medalha de Identificação


OUTROS USOS PARA UMA MEDALHA

Não é só com os dados dos peludos que as medalhas de identificação podem ajudar. Elas são valiosas também para identificar outras coisas importantes para nós. Veja alguns exemplos em que a informação do seu nome e telefone evita muita dor de cabeça:

• MALAS DE VIAGEM = as medalhas são muito mais resistentes que etiquetas de papel. Em caso de extravio a companhia aérea saberá como localizá-lo.

• CHAVEIROS = a medalha, além de ficar bonita no seu chaveiro, vai ajudar muito no caso de perda.

• MOCHILAS INFANTIS = Crianças vivem esquecendo suas coisas por aí. Costure também no brinquedo predileto dos pequenos humanos e eles serão devolvidos para vocês.

• IDOSOS OU PESSOAS COM CONDIÇÕES ESPECIAIS = Coloque uma medalha em um cordão se você tem alguém na família que às vezes se sente confuso e pode se perder na rua. Informações sobre as condições de saúde de uma pessoa podem lhe salvar a vida: basta gravar uma palavra-chave como “DIABÉTICO”, “CARDÍACO” ou “EPILÉTICO”, por exemplo, ou o tipo sanguíneo, para alertar o profissional de saúde caso haja um acidente. Os modelos CORAÇÃO e REDONDO são ideais para isto.

 

COLEIRAS COASTAL
Clique Aqui Para mais Detalhes e Comprar

 

Manual do Cachorro

MEDALHAS EM ALUMÍNIO

Muito leve e não enferruja. Suas cores ficam ainda mais brilhantes. A gravação é sofisticada e simples, mas com ótima leitura. São 8 modelos e 5 cores para a sua escolha.

 

Entenda o seu Cão

MEDALHAS EM PLÁSTICO

Muito leve e resistente, não desbota com o sol, nem com produtos usados no banho do peludo. O contraste da letra branca com a superfície colorida faz com que as informações gravadas se destaquem muito mais. Na medalha amarela as letras são pretas conferindo um contraste marcante, mas de muito bom gosto. São 7 modelos e 5 cores para a sua escolha.

 

 

 

Copyright Cláudia Pizzolatto – 2008 – Todos os direitos reservados.
Este artigo tem seus direitos autorais protegidos por lei.
É permitida a sua reprodução sem alterações
desde que sejam colocados o nome da autora
e o link para a webpage da BitCão.

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

Notify of

wpDiscuz