Voltar para os artigos

Como evitar brigas com um novo cachorro em casa

Chega de brigas!

Muitas pessoas que já possuem um cãozinho resolvem ter outro para fazer companhia ao primeiro, ou simplesmente gostam tanto de cães que optam por aumentar a família. Se para alguns a tarefa de reunir cachorros é fácil, para outros pode significar uma tortura. Como fazer os peludos se darem bem e não haver brigas na casa? Se pararmos para pensar no assunto com cuidado, veremos que as variáveis são muitas e as chances de sucesso na introdução de um novo membro na matilha podem ficar comprometidas. É possível pensar em diversas combinações entre o cachorro que vai ser introduzido e o que já está na família e, em cada uma delas, existir uma particularidade (independente do temperamento do peludo atual e do futuro). Precisaríamos de um livro para detalhar todas as possibilidades, então vamos passar uma ideia geral da técnica para se introduzir um novo cão na família e, quando for oportuno, faremos comentários sobre casos específicos.

famiia-texto01

A técnica do passeio

Talvez a forma mais fácil e menos traumática para se apresentar um novo cão à sua matilha seja levando todo mundo para dar um passeio. Um território neutro costuma fazer milagres nas relações caninas. Se você está adotando um peludo adulto, é só colocar todos os seus cachorros nas guias e levá-los para dar uma volta. Logo no início do passeio, peça a alguém – que os seus bichos conheçam e gostem – para se aproximar com o novo membro da família também na guia e caminhem todos juntos, mantendo uma distância segura entre os cães. De início, não pare para “apresentá-los”, simplesmente coloque todo mundo para andar. Se você tem só um cachorro, coloque-o para andar ligeiramente na frente do novato. Já se você tiver uma pequena turma, coloque o que costuma ser o líder na frente e deixe o caçula no final do pelotão. Quando todo mundo já estiver um pouco cansado e aceitando a proximidade do novo cão, é hora de deixar que eles se cheirem.

Procure sempre ficar com os cachorros mais antigos e a outra pessoa com o novo cão. Um monte de carinhos e petiscos ajudam a dar uma sensação de bem-estar entre os peludos. Se você estiver apresentando um filhote a cachorros adultos, é provável que não haja brigas: dificilmente (mas não é garantido) um cão adulto ataca um filhote. E se todo mundo for filhote, aí é que não tem problema mesmo. Eles vão logo se animar e começar uma brincadeira!

A apresentação dentro de casa

Se o filhote a ser apresentado ainda for muito pequeno para ir à rua, apresente os seus cães em “território neutro”, por exemplo, na casa de um amigo. Devidamente apresentados, então é hora de voltar para casa. Faça os seus cães entrarem primeiro, solte-os da guia se você já estiver confiante e só depois entre e solte o novo membro. Se os seus cachorros derem certa “imprensada” no bebezão, não fique excessivamente preocupado. Isso é normal e eles não deverão machucar o novato, que deve se colocar em uma posição física e hierarquicamente inferior aos seus cães. Interfira apenas se os cachorros estiverem realmente machucando o novo peludo, ou se o novato resolver “encarar” o assédio. Neste caso, ponha todo mundo na guia novamente e só solte quando todos estiverem mais calmos. Uma cerca ou um portão para separar ajudam, mas ao mesmo tempo é importante permitir que eles se vejam e se cheirem. Cuidado para não separá-los por muito tempo (mais de uma semana), pois as chances de sucesso ao juntá-los diminuem.

Outra boa estratégia é primeiro deixar o filhote com o cão mais amoroso e paciente da matilha atual num local mais reservado e seguro. Assim, o cão mais novo forma um laço de amizade e companheirismo com um cão que já faz parte da matilha, facilitando a sua aceitação pelos outros membros. Nunca deixe o cãozinho a sós com os veteranos. Apesar de, em geral, o filhote ser bem aceito pelos cães adultos, há casos de ataques e as chances de lesões graves são altas.

 

Alguns cuidados especiais

Certifique-se que o filhote tenha o seu próprio pote de comida, água, paninho ou caminha para deitar e um cantinho para ficar quieto. Aproveite para garantir que o cachorro mais velho tenha um lugar especial para se manter afastado do novato, principalmente quando o cachorro que já estava na casa é adulto e você está recebendo um filhote, ou se o cachorro mais antigo é pequeno e o mais novo é de grande porte.

Reforce, a todo momento, que os que já moravam na casa têm privilégios que o caçula ainda não pode desfrutar. Fale, brinque e alimente primeiro o mais velho. Se o cão “das antigas” resolver tirar o brinquedo da boca do novato e ainda atormentá-lo um pouquinho, deixe. Quanto menos interferirmos nos “arranjos caninos”, melhor!

 

O que é melhor: mesmo sexo e mesma raça?

Cães do mesmo sexo (macho com macho, fêmea com fêmea) tendem a ter maior dificuldade para se adaptar do que quando os sexos são opostos. Além disso, se eles não brigarem enquanto um é mais velho e o outro é filhote, as chances de aumentam quando se tem dois machos ou duas fêmeas adultas na mesma casa.

Se você está pensando em ter cachorros de sexo opostos, mas não quer ou não pode cruzá-los no futuro, castre-os o quanto antes. Acredite, não existe “separar” macho da fêmea quando ela está no cio. Até criadores experientes, com espaço mais do que suficiente, empregados treinados e canis reforçados, já passaram pela experiência de ter um cachorro escalando muros impossíveis, fêmeas passando por frestas inimagináveis e filhotes nascendo de encontros difíceis de terem acontecido! Se você mora em apartamento, não é aconselhável a vasectomia do macho (recurso em que o macho pode cruzar, mas não produz filhotes), pois a choradeira e os uivos durante o período de cio da cadela vão deixar você esgotado e os vizinhos furiosos.

Raças iguais tendem a se dar melhor entre si, mas não é uma regra absoluta. Terriers, de um modo em geral, não deveriam ser colocados com cachorros do mesmo sexo, como também não deveriam ter mais do que um companheiro/companheira. Tenha em mente que quanto mais cachorros a sua matilha tiver, mais difícil será manter a harmonia permanente, tornando a introdução de um novo membro cada vez mais delicada.

 

E se, apesar de todos os cuidados, acontecer a tão temida briga?

Às vezes dois peludos que sempre se deram bem passam a brigar quando adultos, ou depois que um deles teve algum problema e precisou ficar isolado por algum tempo. Nestes casos, é importante tomar as medidas corretivas o mais rápido possível, o que vai impactar bastante no resultado e na frequência de novos confrontos.

Para reduzir os efeitos negativos de uma briga:

* Mantenha cada cão com a sua coleira para ter onde segurá-lo, se necessário;

* Tente separar os briguentos direcionando sobre eles o jato de ar do Pet Corrector, principalmente se seus cães são grandes, quando dificilmente serão separados sem risco de você levar uma grande mordida ou de um cão machucar mais gravemente o outro;

* Quando os cães estiverem separados, leve um por vez, na guia, para passear (o mais dominante sempre vai primeiro). Isso ajuda a acalmar e costuma ser suficiente para os cães esquecerem as suas diferenças. Depois do passeio deixe os dois juntos, sob supervisão temporária, ou presos pelas coleiras e guias à uma distância segura, mas no mesmo ambiente. Uma variante interessante é os dois saírem para passear levados por condutores diferentes na guia e se encontrarem em ambiente neutro, onde poderão interagir à vontade;

* Procure não deixar os cães separados sem se verem por muito tempo. É melhor manter os dois juntos no mesmo ambiente, cada um no seu canto, do que deixar que os peludos “dominem” uma parte da casa e não permitam mais que o outro chegue perto.

Aqui você pode ver como escolher a melhor coleira para o seu cão!

A grande sacada, se você só tem um cachorro, mas vislumbra a possibilidade de um dia aumentar a família, é não perder tempo nem as oportunidades de socializar bem o seu peludo. Comece a socializar o seu filhote com outros cães o quanto antes, procure convidar sempre os cachorros dos seus amigos para visitarem a sua casa. Quanto mais acostumado a “receber” e brincar com amigos peludos o seu cachorro for, mais fácil será para ele aceitar companheiros permanentes na sua casa. Por falar nisso, que tal aproveitar e apresentar o seu filhote a gatos, hamsters, tartarugas, pássaros e outros bichos? Sabe como é, quem gosta de animais deve estar preparado para tudo!

Importante: São poucos os casos em que o cachorro que já está na casa não aceita o outro de jeito nenhum (seja o novato de outro sexo, seja filhote, seja manso, seja o que for),  mas isso pode acontecer. Se você tem um cão com esse temperamento, peça a ajuda de um profissional experiente para fazer a avaliação correta dos seus bichos. Dependendo do caso, pode ser melhor desistir da ideia de ter outro peludo. Não vale a pena viver o estresse diário das brigas, dos cortes, das visitas ao veterinário e a constante preocupação com a quase impossível tarefa de deixar os peludos afastados uns dos outros.

Claudia Pizzolatto

Este artigo tem seus direitos autorais protegidos por lei. É permitida a sua reprodução sem alterações desde que sejam colocados o nome da autora e o link para a webpage da BitCão.

 

Faça o download gratuito do e-book Como evitar brigas com um novo cachorro em casa e descubra as técnicas, dicas e dúvidas frequentes sobre introduzir um novo cachorro na família.

 

Leia também:
Pode brincar de cabo-de-guerra com o cachorro?
Pet Corrector: Educa o cachorro de forma instintiva

 

Deixe um comentário para Dalva Cancele Resposta1180 comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

1.180 comentários em “Como evitar brigas com um novo cachorro em casa”

  1. Stephanie disse:

    Olá Gostaria muito de ajuda , tenho uma gata de 1 ano e ganhei do meu pai um filhote poodle, só que a minha gato não quer aceitar o filhote , e nao quer nem ficar em casa… como posso fazer para facilitar ? tentei apresentar o filhote a ela mais ela fica muito assustada , não quero perder minha gata e gostaria muito de ficar com os 2…Por favor me ajudem…

    1. BitCão disse:

      Olá Stephanie, normalmente os gatos se acostumam com a presença depois de um tempo de convivência e param de se assustar e/ou fugirem. Mas não posso te afirmar com certeza o que irá acontecer, fica difícil sem conhecer os animais… Procure por um especialista em comportamento na sua cidade, com certeza ele poderá avaliar melhor o seu caso e ver as medidas que podem ser tomadas para que eles convivam melhor.

  2. Sandra disse:

    Olá, aqui em casa já tinha uma srd linda branquinha com 3 anos e recentemente adotei a Nina, que encontrei na rua bem pequena com uns 2 meses. A Mel é bastante territorialista mas ao mesmo tempo tem medo das coisas. Quando trouxe a Nina pra casa tentei uma aproximação, a Mel ñ avançava nela nem nd mas não parava de latir, o tempo inteiro. Acabei separando as duas pra não incomodar os vizinhos e por medo da mais velha machucar a filhote. Agora a Nina está com uns 6 meses e bem maior que a Mel hahaha, resolvi tentar aproxima-las denovo, se ficam sozinhas se cheiram e a mel fica quietinha, só que sempre encolhida num canto, ignorando a outra, mas se alguem chega perto ela avança na Nina e começa a latir sem parar, muito alto… E tentando morder. O que faço pra que a Mel fique menos brava com a Nina, quando estou perto? Ela é extremamente ciumenta. Obrigada

    1. BitCão disse:

      Olá Sandra, pelo que você mesma descreve, a Mel é bem insegura e acaba expressando o seu medo através dos latidos. Você deve deixar que elas se acostume justamente estimulando a convivência delas, mas pode dar uma bronca na Mel quando ela latir muito. Tente estimular brincadeiras entre elas para que se sintam mais à vontade na companhia uma da outra.

  3. Marcela disse:

    Boa tarde. Estamos passando por uma situação um pouco complicada e precisamos de uma orientação.
    Nós morávamos em uma cidade onde tínhamos 4 cães. Nos mudamos e os cães ficaram temporariamente com minha mãe. No novo endereço resolvemos adotar um cão adulto (cerca de 1 ano e meio) da raça Weimaraner que ficou conosco por cerca de 1 mês. Há 3 dias, nós trouxemos duas cadelas ( uma tem 2 anos e a outra 1 ano) SRD de porte pequeno a médio. Durante os últimos dias eles vem se estranhando muito. As cadelas estão com medo acredito que devido ao tamanho dele. Ele é um tanto desastrado e tenta fazer contato com elas de todo e qualquer jeito. Elas não podem sequer dar uma leve corridinha que ele vai em cima, não com agressividade, mas elas se assustam, sentem-se acuadas e por vezes rosnam e mostram os dentes pra ele ou então tentam correr desesperadas até que nós interferimos e paramos a situação.
    Estamos quase a ponto de devolver o Weimaraner para o antigo cuidador dele, pois temos medo de que eles partam para agressão de verdade.
    Vocês podem dar alguma orientação?
    Obrigada.

    1. BitCão disse:

      Olá Marcela, fica difícil dar uma opinião sem ver os cães, mas aparentemente é uma situação não muito complicada de resolver. As pequenas realmente devem estar com medo do Waimaraner por conta do tamanho e da brincadeira um pouco mais bruta. Ao mesmo tempo, você deve acostumá-los um com a presença do outro. A minha sugestão é que você deixe todos em um mesmo ambiente, mas que mantenha o waimaraner na guia, assim ele convive com elas e você consegue controlá-lo quando ele se agitar demais, pelo menos até elas ficarem mais confortáveis com a presença dele.

  4. Júnior disse:

    Tenho uma pitbull e uma hotweiller, do meu cunhado e minha, respectivamente. Recentemente ele se mudou para um sitio e levou. Estou de mudança e levando a minha e o medo é da convivência delas. Temos crianças que em ambientes diferentes convivem e acariciam as duas. Essa afetividade no ambiente comum me preocupa, o que posso fazer para que essa transição aconteça?

    1. BitCão disse:

      Olá Junior, brigas entre cães do mesmo sexo e, principalmente em raças mais dominantes, são frequentes. Mas parece que você fala que as duas cresceram juntas… Se elas nunca brigaram, pode ser que a mudança faça elas se desestabilizarem um pouco mas a situação logo volta ao normal. Agora, se elas nunca ficaram juntas, o ideal seria contar com a ajuda de um profissional para analisar a personalidade das duas e orientar o que vocês devem fazer para que a convivência seja harmoniosa.

  5. Janaina disse:

    Tenho uma shihtzu de anos e comprei outra de 60 dias. Apresentei as duas na casa da minha mae, para evitar brigas. Agora que estamos em casa, a pequena enfrenta a maior, e com isso, a maior nao consegue comer direito nem beber agua, porque a pequena vai na frente, alem de expulsar a maior da cama e de outros locais da casa. A de 2 anos nao se defende, e eu estou morreeeendo de pena e de remorço. Me ajudem????

    1. BitCão disse:

      lá Janaina, isso poderia acontecer mesmo! 🙂 Tente sempre dar prioridade em tudo para a mais velha, assim a bebê vai se acostumando que recebe tudo só depois da outra. Sobre a comida, você pode ficar junto, não deixando a bebê acuar a mais velha!

  6. Sandra disse:

    Tenho um Cocker macho, castrado, de 10 anos de idade que esta comigo desde 45 dias de vida! ele eh extremamente apegado a mim! Tenho uma filha de 4anos que se da super bem com ele e quem ele respeita muito apesar de um pouco de ciumes as vezes. Somos nos tres em casa. Estou me casando novamente e me mudando. Meu noivo tem um Spaniel Continental de 2 anos, tambem macho e castrado. Os dois nunca se viram, mas vao morar juntos daqui a algum tempo. Como preparar os dois para este encontro? Meu cachorro ja teve muito problema com cachorros menores, especialmente machos antes de ser castrado. Como avaliar se terei problemas?!?! Como incentivar a socializacao dele com outros cachorros, se existe ciume dele comigo na rua por exemplo? Ele ja foi adestrado, junto ao pessoal da Lord Cao… vale a pena fazer uma reciclagem?!?!

    1. BitCão disse:

      Olá Sandra, uma reciclagem sempre vale à pena, ainda mais se eles puderem ser apresentados em um local neutro. Assim vocês podem ver como reagem um com o outro sem o problema da territorialidade. Os cois sendo castrados vai ajudar bastante no processo, mas tem que ver o temperamento de cada um e como se relacionam com outros cães…

  7. Yasmin disse:

    Boa Tarde, eu tenho um Fox Paulistinha de 10 anos e um Beagle de 2 anos, ambos machos, eles sempre se deram muito bem, o beagle sempre foi bem macinho e calmo e nunca brigaram, porem a alguns meses comprei uma Beagle femea, ela esta com 4 meses, e o meu Beagle macho passou a agredir o Fox, qualquer motivo ele parte pra cima, e meu Fox não reage, só apanha. Qual seria a solução? castrar o Fox? ele tem idade avançada, não seria prejudicial? Obrigada

    1. BitCão disse:

      O ideal mesmo seria ter castrado os dois o quanto antes… É difícil dar uma opinião sem ver os cães, mas parece que o seu fox é bem mais calmo e aceitou bem a companhia do beagle. agora, que o beagle está realmente entrando na fase adulta, ocorreu a chegada da fêmea, o que desestabilizou a harmonia da martilha e se transformou em um motivo de disputa (pelo nemos do beagle). Castrar ainda é uma opção, principalmente o beagle, mas pode não solucionar o problema. Alémd e castrá-lo, você poderia fazer também um trabalho de reforço de liderança com treinamento de obediência, para ver se ele para de se achar o “dono da casa”!

  8. Ana Sousa disse:

    Ola! tenho um yorkshire terrier de 6 meses,macho,num apartamento. Muito sociavel e ja com as suas rotinas e educaçao bem estabelecidas e queria um amiguinho para ele. Pensam que, mediante os vossos conhecimentos das raças,se daria bem com um bulldogue frances? Seria melhor um bulldogue macho ou femea? Aguardo respostas às minhas questões . Agradeço desde já.

    Atenciosamente,
    Ana Sousa

    1. BitCão disse:

      Olá Ana, pode ser que ele se dê bem com um amiguinho, ainda mais pela idade! Eu te aconselhadia a pegar uma fêmea, já que as brigas entre cães do mesmo sexo são mais frequentes. Também castraria dos dois para não ter problemas com os hormônios.

  9. Adriana Oliveira disse:

    Meu noivo tem um shitzu macho de 1 ano e 10 meses. Decidimos comprar um outro filhote de shitzu macho. O filhote foi apresentado ao Thor mas ele naonficou bravo e ignorou a presenca dele. Cada um tem seu espaco na casa, cama, comedouro, mas ficam pela casa. O filhote è muito esperto e fica seguindo o Thor pela casa, e ele se afasta, nao tenta morder,mas o ignora, da meia volta. Nos estamos dando total atencao pro Thor pra ele nao se sentir excluido,levar pra passear,mas ele esta bem triste. Aonde o filhote esta ele nao fica. Esta ficando mto embaixo da cama e com aparencia triste. O que podemos fazer? Estou com medo dele ficar doente.

    1. BitCão disse:

      Olá Adriana, nem sempre os cães mais velhos gostam da companhia de um filhote. Já que o Thor apenas está ignorando o filhote, não há problema. Deixe que eles se acostumem com a presença um do outro e logo, logo eles estarão convivendo normalmente, principalmente já que você está dando bastante atenção ao Thor. Não é provavel que ele fique doente, apenas está sentindo a mudança!

  10. Paula disse:

    Olá tudo bom? eu tenho uma Akita de 2 anos e meio e uma Chow-chow de uns 6 meses, desde que a chow chow chegou vem acontecendo brigas HORRÍVEIS , tentamos de tudo para separar mas não tem jeito, sempre eu e minha irmã temos que entrar no meio e no final das contas quem acaba mordida somos nós! POR FAVOR ME AJUDA NÃO SEI MAIS OQUE FAZER NÃO TEMOS MAIS PAZ!

    1. BitCão disse:

      Olá Paula. É muito difícil analisar esta situação,principalmente sem ver os cães. Mas você tem aí duas raças bem dominantes, o ideal seria você contar com a ajuda de um profissional para ver o que está se passando com elas.

  11. Maysa disse:

    Olá! Tenho um schnauzer machinho de 3 meses que está comigo a quase 2 meses e ontem chegou mais um schnauzer machinho aqui em casa, com 3 meses também. Eu os apresentei em um territorio neutro e depois quando chegaram em casa foi uma alegria, brincaram muito! Porém o filhote novo está um pouco acanhado ainda e tem momentos que quer ficar mais quietinho mas o filhote que está aqui a mis tempo não deixa, quer brincar o tempo todo. Cada um tem a sua caminha mas os dois estão dormindo juntos rsrs Eles se estranharam apenas uma vez porque o que chegou ontem não estava a fim de brincar naquele momento… o que eu faço quando isso acontecer?? Estou em duvida também em relação a carinho… faço carinho nos dois normalmente ou espero eles se adaptarem? Obrigada! 🙂

    1. BitCão disse:

      Olá Maysa, o que está acontecendo na sua casa é completamente normal, deixe que os dois interajam e se adaptem um ao outro. Cães filhotinhos brincam muito e, nestas brincadeiras, acabam se testando para ver até onde podem ir com as brincadeiras. Cada um vai ter uma personalidade, uma tolerância… Deixe que eles se entendam, interferindo somente quando você achar que algum “perdeu o tom”. Muito fofo o fato deles dormirem juntinhos, acho lindo! Só vou te recomendar que castre os dois, assim você terá muito menos chance de problemas quando eles entrarem na adolescência.

  12. Marluce Lima disse:

    Oi! Tenho um cão adulto extremamente dócil , ele é de porte médio mas parece maior porque é obeso o adotei faz uns três anos, segundo o veterinário ele é idoso. tenho também uma poodle fêmea adulta (é mimada) os dois convivem super bem. Mas encontrei um cão Rottweiler abandonado precisando de cuidados, parece idoso, ele está na casa de um amigo , preciso saber como aproximar este cão dos que já possuo, não tenho problema com o comportamento dos meus animais, temo que os dois não aceitem o novo cão e que os dois maiores se estranhem.

    1. BitCão disse:

      Olá Marluce, sempre que intorduzimos um novo membro na matilha, é normal que haja uma desestabilização momentênea, até que o novo membro seja aceito e as coisas voltem ao normal. É difícil saber o que vai acontecer sem conhecer os animais em questão, mas por serem animais adultos, vai depender também da vivência que cada um teve. Tente fazer com que eles se conheçam em um local neutro, para que não haja problemas de dominância por conta do território e, se correr tudo bem, leve-os para casa e sempre os mantenha juntos sob observação. Assim, você pode interferir na hora certa, caso haja algum problema.

  13. Leila disse:

    Olá,

    estou pensando em morar com o meu namorado e cada um tem um cachorro que pretendemos começar a fazer a socialização.

    O dele é um rotwailer de quase 02 anos e o meu um vira de 10 anos como vamos morar na casa dele qual seria a melhor forma de aproximação. Li sobre levar os dois pra passear na rua para apresentá-los, isso funciona mesmo?

    o rotwailler é muito maior que o meu virinha, será que vamos ter muitos problemas? Obrigada

    1. BitCão disse:

      Olá Leila, dois cães machos tem uma probabilidade maior de brigarem do que cães de sexo opostos, mas não é impossível. O ideal é castrar os dois o maior tempo possível antes da aproximação e, sim, passear bastante com os dois em território neutro, para que não haja nenhuma territoriadidade envolvida no processo dos dois se conhecerem. Se possivel os leve para um local aberto, onde possam brincar e interagir, criando um elo para quando forem conviver mais. Se eles terão problemas em ficar juntos, somente saberemos quando estiverem morando na mesma casa…

  14. Rômulo disse:

    Bom dia! Eu possuo um Yorkshire macho de 3 anos e que é muito territorialista. Ele ficou cego há um ano devido a um atropelamento acidental e seu temperamento ficou ligeiramente mais arisco. Fiquei 3 meses fora do Brasil e o deixei numa casa com 8 cachorros. Ele dominou os oito e era muito arisco a qualquer aproximação de qualquer cão, mordendo quem chegasse perto dele.

    Ele já voltou pra minha casa e acabei ganhando uma filhote de Pastor Alemão com apenas 30 dias e ele mantém o mesmo comportamento. Existe alguma forma de fazer com que meu cão tenha um comportamento menos agressivo com outros cães?

    1. BitCão disse:

      Olá Rômulo, o seu cão já está castrado? O ideal é que ele seja, pois assim diminuimos bastante a vontade dele arrumar confusão. Pelo que você descreve, ele já era bem difícil e a situação só se agravou depois do acidente. Provavelmente ele se sentiu mais vulnerável e acabou arrumando este jeito mais agressivo para se defender, ainda mais na presença de outros oito cães. Com o seu filhote de pastor, provavelmente ele só está repetindo o que aprendeu na convivência com os outros para se sentir protegido. Tente fazer uma associação positiva do filhote com ele, dando bastante carinho e atenção na presença do filhote (sem deixar que o bebê o estresse) e só dando os petiscos durante as boas interações. Ele tem que sentir que “se dá bem” na presença do pastor.

  15. Eliete Mulazzani disse:

    Olá!

    Eu recolho animais abandonados, praticamente todos que encontro pelas ruas e também em rodovias durante minhas viagens. Não sei mais o que fazer pois os cães brigam muito, e as brigas são terríveis e graves. Mantenho todos os animais com meu dinheiro, pois em minha cidade não há nenhuma instituição com esse fim. Atualmente estou com 13 cachorros (fêmeas e machos) de tamanhos variados, todos na mesma casa. O que posso fazer para evitar brigas e desentendimentos entre eles. Preciso muito da ajuda de vcs pois no momento não possuo condições financeiras para contratar um profissional.

    1. BitCão disse:

      Olá Eliete, antes de mais nada, parabéns pelo seu trabalho em ajudar nossos amigos peludos mais carentes! Realmente manter 13 cães em um mesmo ambiente, principalmente dependendo do gênio de alguns, pode ser bastante difícil. Estão todos castrados? Porque cães machos inteiros são bem mais encrenqueiros, assim como as fêmeas no cio também ficam mais implicantes, além do cheiro do cio deixar os machos mais agressivos e agitados. Fica muito complicado dar uma opinião sobre o seu caso sem ver os cães, o local… mas pelo menos se estiverem castrados e o encrenqueiros separados, a situação tende a melhorar bastante.

  16. Isabela disse:

    Tinha 2 cadelas, uma vira lata de 8 anos e uma dacshsund, filhote. Elas se davam bem, apesar da salsichinha ser bem ciumenta. A mais velha morreu e algum tempo depois comprarmos um dacshsund macho. A cadelinha salsicha, agora com 2 anos, não se acostumou com a chegada do filhote e eles sempre brigam muito, o mais novo vive machucado. Agora, a cadelinha parece estar muito triste, deu para se excluir e só quer ficar nos lugares que a vira lata ficava, até cavou o buraco onde ela estava enterrada… Tá muito difícil, o que posso fazer para eles se darem bem e ela deixar de ficar triste? Obrigada!

    1. BitCão disse:

      Olá Isabela, procure ver se vocês não estam dando atenção demais para o filhote e deixando a mais velha um pouco de lado. É normal fazermos isso quando chega um novo filhote, ja que ele demanda muito mais atenção e trabalho que os que já estão em casa. Estimule a brincadeira entre os dois e faça com que ela ache que a presença do filhote é boa pra ela, dando petiscos somente quando na presença do machinho. Assim ela vai associar a presença dele à uma coisas bem legais!

  17. Vanessa disse:

    Boa tarde,
    Estou precisando de ajuda: tenho um shitsu macho de 3 anos e agora quero adotar um cão vira-lata adulto da rua. Moro em apartamento e o cão da rua já se acostumou comigo, meus filhos e o prédio, só vive aqui na frente do prédio. Ele é de porte médio e os dois passeam juntos na rua sem problemas, mas qdo levo o da rua pea casa o shitsu ataca e logo da uma briga terrível! O shitsu que ataca mas o outro é maior e tenho medo que machuque o menor. Acho que o da rua tb tem uns 2 a 3 anos. O que eu posso fazer para acostumar os 2 juntos? E tb acostumar o da rua com os costumes de um apartamento? Please me ajudem! Abraço

    1. BitCão disse:

      Olá Vanessa. Como são dois machos jovens adultos e inteiros, esta relação pode ficar um pouco conturbada mesmo, até porque você já testou e viu que o shih-tzu não aceita o outro cão em casa. Você passear com os dois juntos na rua é ótimo, assim eles vão se acostumando um ao outro em um território neutro. Você poderia castrar os dois e ir mantendo estes passeios por pelo menos mais um mês antes de tentar colocar o outro dentro de casa, assim o hormônio baixa um pouco e eles se acostuma mais com a presença um do outro.

  18. Kamilla disse:

    Tenho um cão porte grande mestiço que conviveu por três anos com um outro cão, agora falecido, com muitas brigas, chegando ao ponto de viverem separados. Agora no meio do ano ganhei do meu esposo uma bull terrier ( está com 5 meses). O convívio até certo ponto é harmonioso, porém não conseguimos cuidar ou até mesmo falar com um dos cães sem que haja uma briga em seguida. O que fazer? Achei que por serem macho e fêmea isso acabaria. Castrá-los é uma solução?

    1. BitCão disse:

      Olá Kamila, fica difícil falar sem ver os cães, mas aparentemente o seu mais velho aprendeu a brigar e está tirando proveito disso. Realmente a convivência de cães de sexo oposto tem tudo para ser mais tranquila, mas como o macho já tinha uma convivência conturbada com o outro cão da casa,foi assim que ele se acostumou a resolver as coisas. Eu tentaria, à princípio, castrar o macho. Junto à isso, faça um treinamento de obediência básica para conseguir controlá-los melhor. Assim você tem mais chances para eles parem de brigar!

  19. vivian disse:

    Olá, tenho um poodle de 5 anos e ele foi muito mimado, agora comprei um cane corso, esse aceitou tudo bem mas o poodle não me dá mais beijo, não olha quando chamo, fiquei arrasada com a mudança de comportamento, será que vai ser difilcil ele voltar a ser como antes ou é melhor levar o outro embora.Obrigada

    1. BitCão disse:

      Olá Vivian, seu poodle sempre foi a “filho único” e agora chega mais um membro na família! É normal entre cães, quando acontece uma mudança na matilha, que o comportamento mude. A primeira coisa que temos que fazer é manter a rotina o mais parecida possível do que era antes, sempre mantendo a preferência para o poodle, que é o membro mais antigo. Depois, é só esperar os ânimos se acalmares, que a possibilidade é que a rotina se estabeleça novamente e as coisas voltem a ser como antes.

  20. Andressa disse:

    Olá, tenho um yorkshire macho de 1 ano e 8 meses que nunca cruzou e acabei de pegar uma yorkshire filhote, de 4 meses muito micro. Ela é bem agitada e ele é tranquilo, não rosna nem briga, mas começou a cheirá-la insistentemente e lambê-la no rabinho. Fora isso, já o peguei tentando montá-la 2 vezes e urinar em todos os cantos da casa. Não sei o que fazer. Se eu deixo ele cheirá-la, pode ser que ele continue tentando montar. E ele sempre fez tudo no tapete higiênico. O que faço? Não gostaria de deixá-los separados. A única opção é castrá-lo? Ou é possível corrigir estes comportamentos sem castrá-lo agora?
    Me ajude por favor.
    Um abraço.

    1. BitCão disse:

      Olá Andressa, a melhor opção para que este comportamento melhore, sem dúvida, é castrar os dois. Ele porque, apesar da filhota nem estar no cio, já começou a marcação de território em casa! Quando ela entrar no cio, mesmo ele castrado, ainda pode incentivar o mau comportamento. Claro que há como melhorar este comportamento sem as cirurgias, mas o trabalho de reforço de liderança e correções será muito maior com o hormônio circulando na sua casa e, muito provavelmente, você precisará de ajuda com este adestramento.

  21. Líliam Carubbi disse:

    Se eu deixar a cadelinha separada quando estiver no cio ? Mesmo assim tem há possibilidade de brigas ???? Obrigada !!!

    1. BitCão disse:

      Sim… eles sentem o cheiro, o que causaria a confusão. A única maneira seria tirá-la de casa antes do cio começar e só trazê-la de volta uns 15 dias depois do cio terminar. Mesmo sem a questão do cio, um estando inteiro ainda tem o problema da testosterona do que ficar inteiro.

  22. Líliam Carubbi disse:

    Tenho dois cães, um é pitbull ( 1 ano e 5 meses) e o outro é bull terrier( 1 ano e 2 meses).Só que ganhei uma bull terrier fêmea.
    Castrando o pitbull, diminui a possibilidade deles brigarem?
    O pitbull é super tranquilo, mas ele é o dominante.

    1. BitCão disse:

      Liliam, o ideal é que você castre os três! Só castrando um, você ainda terá muito hormônio presente na sua casa. Na hora que a Bull entrar no cio, grandes chances de ter briga por aí…

  23. Gabriel Carvalho disse:

    Bom dia , eu tenho um shih tzu de 2 anos e agora adotei um vira lata de porte medio que nao tem nem 1 ano ainda , só que o vira lata nao pode ver o outro cao que começa a rosnar e querer ir para cima.Como posso resolver essa situaçao?

    Obrigado!

    1. BitCão disse:

      Olá Gabriel, na minha opinião, você deve castrá-lo o mais rápido possível. Junto com isso, começe um treinamento de obediência básica. Se na sua cidade houver algum tipo de treinamento em grupo, melhor! Assim ele pode entrar em contato com outros cães de maneira controlada.

  24. Fabiana disse:

    Ola! Tenho duas cachorras de pequeno porte SRD e adotei mais uma há uns 4 dias. As três tem em média 2 anos. Elas não tiveram problema com a recepção da terceira cadela mas quando estou próxima das 3 elas se estranham um pouco. Se eu não estiver por perto elas se toleram, comem, só não brincam ainda. O único problema na realidade é que elas competem por atenção. Qual deve ser minha postura para que elas não fiquem com ciume umas das outras?

    1. BitCão disse:

      Oi Fabiana, O que está acontecendo é super normal, já que houve uma mudança na matilha. A chegada de um novo membro pode desestabilizar a situação hierárquica à qual elas estavam acostumadas e leva um tempo até os ânimos se assentarem novamente. Tem muito pouco tempo (4 dias), deixe que elas se conheçam e estabeleçam suas posições no grupo. Na minha opinião, você só deve interferir caso uma delas seja agressiva com a outra. Mostre que você não tolera isso, já que você é a “chefe”! Continue com a rotina que você tinha antes e não dê atenção exacerbada para a nova membro da família, afinal na cabeça deles, antiguidade é posto!

  25. Mariana disse:

    Olá, estou com um sério problema, tenho um beagle que vai fazer 2 anos, uma vira latas de 2 anos tb, e um sharpei com 6 meses, só o que o beagle é extremamente anti-social (ele era o nenê da casa) e sempre que possível morde o sharpei e as brigas são mto feias, ele é mto dócil com todos da casa, o sharpei e a vira-latas tb um mimo, só que o beagle está demais e eu estou sofrendo mto pq ele machuca o novo membro, não sei o que fazer, mtas noites nem durmo e no momento não tenho condições de contratar um profissional. Se possível, uma ajuda, por favor.

    1. BitCão disse:

      Olá Mariana, fica muito difícil dar uma opinião sem ver o que está acontecendo, mas uma primeira providência que você pode tomar é castrar o beagle o mais rápido possível. Ainda melhor seria castras logo os dois! Não é garantia de que vai melhorar, mas a chance da situação acalmar será bem maior. Fora isso, deixe o beagle na guia enquanto estiver com os outros, assim você pode controlá-lo caso ele tente agredir um dos outros cães. Quando ele tiver alguma atitude não desejada, você terá a chance de corrigi-lo!

  26. Rachel disse:

    Olá! Tenho um sharpei de 7 anos. Ele é temperamental e dominante. Estou com um lhasaapso de 9 meses. Os dois são machos e vou ter que levar o lhasa pra morar com o sharpei. Estou um pouco receosa dessa aproximação. Apesar de já termos passeado juntos e tudo ter corrido bem, tenho medo do sharpei machucar o lhasa. Pode me orientar? Obrigada!

    1. BitCão disse:

      Olá Rachel, a possibilidade de dois cães do mesmo sexo brigarem sempre existe, ainda mais quando tem um muito dominante, como você descreve seu sharpei. O ideal é que os dois fossem castrados antes de morarem juntos, melhor ainda se fosse no mínimo com um mês depois da cirurgia. Fica difícil opinar sem ver os dois, mas é importante que eles convivam, deixar sempre separado nunca é uma boa ideia, já que acidentes, como esquecer uma porta aberta, sempre podem ocorrer. Faça a aproximação deles sempre sob supervisão e não os deixe sozinhos no mesmo espaço sem que você tenha confiança para isso.

  27. Paty disse:

    Olá.. tenho uma Ilhasa de 8 anos e agora ganhei um Akita que completará 3 meses semana que vem.. o akita está em casa a pouco mais de um mês e a principio eles brincavam muito, a felicidade da Ilhasa em ter compania era a coisa mais linda de se ver, porém nos ultimos dias as brigas se tornaram constante a mel (ilhasa) avança no Hathy(akita) por tudo, e ele .. maior.. é claro revida e o poder de briga dele é muito maior, especialmente pq ela não desiste, para separa-los é bem complicado já levamos mordidas por conta disso.. não sei o que fazer para que este compartamente entre eles seja controlado. Preciso realmente de ajuda

    1. BitCão disse:

      Olá Paty, pode ser que o akita tenha começado a ter menos medo das correções da lhasa e tenha sentido que pode revidar. Por outro lado, a lhasa também pode ter ficado sem paciências para a brincadeira do filhote… É muito difícil saber o que esta acontecendo sem vê-los. Se você acha que não são apensa brigas normais, onde a lhasa está disciplinando o filhote, ou que o akita está sendo agressivo com ela, procure um profissional. Só ele poderá ver o que realmente está acontecendo e tomar as medidas para acabar com os conflitos.

  28. Ruth Xavier disse:

    Tenho uma lhasa fêmea de 7 meses e resolvi ter outra que está com 50 dias, mas a mais nova é muito agressiva e não dá sossego pra outra…o que fazer

    1. BitCão disse:

      Olá Ruth, devemos ver se a bebê é agressiva mesmo ou se somente está brincando com a mais velha de um jeito mais bruto. Na questão de não dar sossego para a outra, é assim mesmo! Deixe as duas se entenderem, são duas crianças se acostumando à convivência uma com a outra.

  29. Nathália disse:

    Oi! Por favor…
    Tenho um vira lata de pequeno porte que vive com nossa família por cerca de 13 anos, desde filhote. Ele é muito tranquilo, muito dócil e também tem um bom convívio com outros animais. Hoje em dia ele ja esta velho, dorme bastante e late muito pouco. Estou pensando em comprar um shih tzu macho que ficaria dentro de casa. Meu cachorro vira lata nao fica dentro de casa apenas no meu quintal que é bastante grande por sinal. Você acha que por meu cachorro ja estar velho e acostumado a ser “sozinho”, o convívio com um filhote será mais difícil? Obrigada.

    1. BitCão disse:

      Olá Nathália, se seu cão mais velho sempre se deu bem com outros, provavelmente não haverá problema. O que pode acontecer é o filhote pertubá-lo um pouco e, se ele tiver paciência, provavelmente só irá disciplinar o filhote quando este passar um pouco dos limites. Faça esta aprosimação sob supervisão e tente incentivar as brincadeiras!

  30. Marcela disse:

    Boa noite! Tenho um macho lhasa apso de 4 anos e resolvir compra uma fêmea da mesma raça, mas ainda vai fazer dois mesmo é filhote… Meu cachorro é tranquilo, calma e muito carinhoso acho que não estranhou a chegada do filhote ela vai brigar com ele ele n morde ela só as vezes se afasta dela, então eu gostaria de saber se eu deixar os dois sós terá algum problema? Se o mais velho poderar morde a filhote? Agradeço atenção!

    1. BitCão disse:

      Olá Marcela, pelo o que você descreve, não há problema na interação dos dois. Mas se você não se sente confortável deixando os dois juntos sem a sua presença, separe a filhota quando não estiver alguém em casa, mas sempre solte quando alguém chegar e deixe-os sob supervisão. Ela vai crescer e ficar menos frágil, ao mesmo tempo em que o tempo passa e eles se acostumarão com a presença um do outro cada vez mais.

  31. Ana Vieira disse:

    Olá! Acabamos de adotar uma sharpei de 5 meses! Já temos um sharpei de 2 anos em casa! Ele é muito medroso.. Ficou o dia todo fugindoda nova irmãzinha!! Ela o perseguiu por toda a casa para poder cheira-lo e ele fugia. Algumas vezes, rosnava para a filhote e tambema ameaçava com mordidas, mas não fez nada a ela. Vocês acham que devemos corrigir o comportamento dela em querer cheira-lo insistentemente?? Ele parece estar acomodado com a nova moradora, mas também mostra curiosidade.. Mas pelo medo, ele ainda evita ocontato. Devemos tentar coibir a filhote por estas perseguições insistentes?? Obrigada!!!

    1. BitCão disse:

      Olá Ana! Vai ser bem difícil controlar a filhota para não ficar perturbando o seu mais velho! 🙂 Você pode deixar os dois se entenderem aos poucos, somente redirecione a atenção da bebê quando você sentir que o macho está muito incomodado. Mas não brigue, pois os dois podem fazer uma associação negativa um do outro. O ideal é você estimular esta interação com brinquedos e brincadeiras e só dar alguma bronca caso um falte ao respeito com o outro. Se você não se sentir confiante em deixá-los sozinhos, faça sempre esta aproximação sob supervisão até que você confie que eles já estão bem.

  32. Marcelo disse:

    Olá. Meu nome é Marcelo e gostaria de perguntar sua opinião. Tenho uma pinscher fêmea de 6 anos. ela é super dócil, tem bom relacionamento com outros cães e é possível perceber que tem papel de submissa perante os outros caes. vivemos hoje em um ap e em breve nos mudaremos para uma casa com bastante espaço. Estamos procurando um cão e gostamos muito do dogo argentino. Só que queremos uma fêmea. sendo assim te pergunto. Será que pode dar brigas entre a minha pinscher e a futura cadela dogo argentino? O fato da diferença de tamanho e mesmo sexo, pode ser ruim? Li acerca da raça dogo argentino e pude perceber que a raça além de luta, também é boa de guarda e de companhia e super carinhoso com a família. Digo isto pois tenho medo que em uma briga, a minha pinscher leve a pior, podendo até morrer.

    1. BitCão disse:

      Olá Marcelo. Realmente brigas são comuns entre cães do mesmo sexo, mas não há como prever. Existem muitos casos de machos e/ou fêmeas vivendo juntos sem confusão, mas também há o contrário. Você pode tomar algumas medidas para que isso aconteça, como castrar as duas (tirando o cio, a situação tende a ficar melhor) e ser bem criterioso na escolha da sua Dogo, procurando por bons criadores que conheçam bem a sua linha de sangue e, consequentemente, o que esperar do temperamento. Claro que estamos falando de indivíduos, então não há regras!

  33. Dalva disse:

    Olá. Tenho dois cães, ambos SRD e castrados. O primeiro que eu peguei foi o Café que tinha dois meses, hoje tem 2 anos, o segundo (Salomão) eu tenho a uns três meses,peguei na rua, e os vets estimam que ele tenha de 3 a 5 anos. O Café quando passeia late para outros cães, mas ele não é agressivo, ele quer se aproximar e conhecer, mas eu não permito pois não sei se o outro cão vai entender o comportamento dele. Em casa com o Salomão, o Café foge dele. Se o Salomão olha pro Café, ele corre. O Café já se aproximou do Salomão para cheirá-lo, mas não deixa o Salomão fazer o mesmo e o Salomão não demonstra muito interesse em fazer isso. Teve uma vez que os dois estavam com o focinho um no outro se cheirando e aí o Salomão deu uma leve rosnada pro Café, mas acho que o Café não entendeu porque ele continuou com o focinho cheirando o outro. O Salomão deixa que cheirem ele mas não gosta que invada muito o seu espaço. Vocês tem algum conselho para a socialização dos dois?

    1. BitCão disse:

      Olá Dalva, já que não há confusão entre eles, eu deixaria os dois se entenderem como estão fazendo. Eles provavelmente já definiram o lugar que ocupam na matilha e, se começarmos a nos intrometer muito, podemos piorar a situação. Só tome alguma atitude se eles se desentenderem, aí você pode brigar com os dois e mostrar que quem é a chefe é você, e que não quer os dois brigando. Assim mesmo, uma bronca bem impessoal, sem definir preferências! 🙂 Somente no caso de um ser injusto com o outro, aí você mostra que não gostou. Mas isso é só para ilustrar o que você pode fazer caso algo aconteça, continue deixando os dois se acertarem!

  34. Preciso que vc me ajude, em relação a uma cachorra que tenho, uma já interagiu com o filhote a outra rosna quando apresento. o que faço para melhorar a relação delas.

    1. BitCão disse:

      Olá Monica, não é porque ela rosna que necessariamente ela vai atacar o filhote, mas também não temos que arriscar… Quando for soltar os cães, deixe o filhote e a cadela que interagiu com eles soltos e coloque a outra que rosna na guia. Assim, ela vê a movimentação dos dois que se dão bem, vai se acostumando com a nova situação da casa e, ao mesmo tempo, você tem como controlá-la. Pode ser uma simples falta de socialização dela e ela ir aceitando aos poucos. Se ainda assim ela não ficar bem com o filhote, seria bom contar com a ajuda de um profissional para ver o porque dela não interagir com ele.

  35. Diego Felype disse:

    Bom dia Bitcao, estou entrando em contato, pois gostaria de tirar uma dúvida, estou querendo cruzar meu Border Collie Zeus com a Ayla, só que no primeiro encontro não obtivemos sucesso, mais este primeiro encontro foi pra socialização, pois a Ayla ainda não se encontra no cio….gostaria de saber qual o processo para os dois se tornarem amigos, para quando ela chegar na época do cio, ficar tranquila com o Zeus, desde já muito obrigado e uma excelente semana a voceis!!!!!!!!!!!!!!!

    1. BitCão disse:

      Olá Diego, seria bom se vocês continuassem estimulando a socialização dos dois com passeios, brincadeiras etc, nâo só para a cruza, mas para estimulá-los a conviver com outros cães. Além disso, algumas coisas são importantes de se notar como se eles gostam de outros cães, se foram bem socializados… Agora, na época do cio vai acontecer o processo normal que o hormônio dita: provavelmente ela só vai aceitar os galanteios dele na época do aceite, antes disso pode ser que dê umas broncas nele!

  36. Valéria disse:

    Olá… por favor, preciso muito de ajuda.
    Tenho um Lhasa Apso de 2 anos, castrado, chamado Rick, que sempre foi muito ciumento… ele é extremamente grudado em mim. E fica muito nervoso quando ve outros cachorros, mesmo quando está passeando na guia ou dentro do carro…
    Há cerca de dois meses ganhei um shih tzu, também de dois anos, porém não era castrado, chamdo Yuri.
    Nos primeiros dias eles se deram bem, houve pouca briga, só em uma ou outra situação. Mas eles brincavam bastante
    O meu lhasa sempre dormiu comigo no meu quarto. Nos primeiros dias ele até aceitou o shihtzu no meu quarto, mas fui percebendo que quando o shihtzu se aproximava da minha cama ocorria briga. Então o shihtzu, Yuri, passou a dormir no quarto da minha mãe.
    Achei que o problema havia sido resolvido.
    No entanto, as brigas só foram aumentando… e estão cada dia pior.
    Faz uma semana que o Yuri foi castrado, sei que demora algum tempo para que ele se acalme mais devido a castração, mas o que me preocupa é que as brigas estão aumentando muito…
    Já não sei o que fazer.
    Hoje foram umas 10 brigas ou mais…
    Quando está só minha mãe em casa as brigas são raras, mas eu chego em casa o problema começa.
    O rick, meu lhasa tem muito ciume de mim… eu nem chego perto do yuri, mas parece que só de imaginar que o shihtzu pode chegar perto de mim, parece que ele não se controla.
    Já tentei fazer praticamente de tudo, já separamos a briga e seguro um de cada lado até se acalmarem, já separei a briga e briguei com os dois para tentar mostrar que estão errados, já tentei deixar os dois brigando até se separarem sozinho mas não deu certo…
    Não sei mais o que fazer mesmo, peço por favor, que me ajude… hoje foi demais, já não dá mais para ficar assim, eles vão acabar se machucando e minha mãe e eu estamos uma pilha, pois separamos brigas o dia todo… mas quando está só minha mãe fica tudo bem e acredito que quando estão sozinhos também…
    Já estou pensando em ter que entregar o Yuri para alguém, pois as brigas estão insuportáveis…
    Se vc souber o que posso fazer para melhorar, agradecerei imensamente.
    Muito obrigada!

    1. BitCão disse:

      Olá Valéria, são comuns as brigas entre cães do mesmo sexo. A castração ajuda muito, mas às vezes, com certes indivíduos, não acaba com o sentimento de possessividade ou agressão, apenas o diminuem. O que parece acontecer é que o Rick estava acostumado a ser “filho único” e não está disposto a abrir mão desta posição na matilha. Quando o Yuri chegou ele não se incomodou muito pois poderia estar só de passagem. Quando o Rick entendeu que ele não iria embora, resolveu que tinha que tomar alguma atitude e está colocando o Yuri no seu lugar (ou pelo menos onde ELE ACHA que deve ser o seu lugar!). O Yuri ser um cão inteiro também não ajudou muito no processo. Agora que ele foi castrado, pode ser que o Rick se incomode menos e deixe de lado a dominância, mas não temos como prever se somente com isso tudo vai funcionar. Sem olhar os cães fica muito difícil dar uma opinião precisa sobre o caso. Seria muito bom você contar com a ajuda de um profissional de comportamento, que poderia lhe orientar sobre o reforço de dominância e usar técnicas para que o Rick aceitasse o Yuri na matilha.

  37. denise disse:

    Ola, tenho um vira lata de 6 meses macho, adquirir agora uma femea de golden retriever q esta com 2 meses..desde o primeiro dia q a femea chegou em casa,parece q se deram bem,pois o macho nao rosnou, nao fez nada, mais me preocupo com as brincadeiras, pois o macho corre atras da femea, puxa a orelha dela, a pele e a femea faz o mesmo, mais certas horas se irrita com o macho, late pra ele.tenho q me preocupar?o q posso fazer para melhorar a convivencia?

    1. BitCão disse:

      Olá Denise! Pelo que você descreve, eles estão tendo uma boa convivência. É super normal um ficar brincando de morder o outro, você só precisa interferir caso note que um dos dois começar a mudar o tom da brincadeira para algo mais agressivo. Se não, apenas se divirta vendo os dois brincarem! Ah… e para melhorar ainda mais, deixe disponíveis bastante brinquedos, sempre de formas e texturas diferentes, para que eles possam se divertir ainda mais.

  38. Arthur disse:

    ola amigo, eu tenho um labrador de 1 ano e 6 meses mas ele é mto agressivo. ataca qualquer cachorronque chega perto dele.
    resolvi entao compar um golden femea pra fazer compania a ele. ela tem apenas 3 meses mas quando eu coloco ela no chao ele imediatsmente a ataca. nao sei se é ciumes ou o jeito dele tambem, eu queria resolver essa situacao, ja pensei em castra-lo pois nao quero que ele tenha filhotes com ela.
    queria um jeito pra ele ficar mais calmo.

    1. BitCão disse:

      Olá Arthur, é mesmo aconselhável que você o castre o quanto antes, ainda mais se ele tem o comportamento agressivo que você descreve. Seria muito bom castrar também a fêmea, assim não teríamos hormônios circulando no ambiente, o que já ajuda a controlar um pouco mais o comportamento do macho. Sobre a filhota, o ideal é que esta apresentação fosse feita sem traumas para ela e, como fica difícil avaliar a situação sem ver os cães, eu te aconselharia a contratar um profissional para acompanhar este trabalho.

  39. Andressa disse:

    Tenho um vira lata macho de 20 kg com 4 anos e a minha cachorra cruzou com ele e teve seis filhotes, fiquei com três o restante doei, a mãe dos cachorros eu castrei junto com a filha dela, só restou uma, mais ela entrou no cio, e aí meu cachorro, com o outro filhote que tem 2 anos e 12 kg começaram a brigar pela fêmea. Agora ela saiu do cio e os dois continuam brigando, estavam separados, só que quando vou soltar os dois no quintal continuam brigando e quando estão no meu colo ficam rosnando um para o outro, não sei o que fazer, para voltar a paz de antes, porque o lugar que eles ficam dar muito trabalho para eu separar, não sei mais o que fazer por favor me ajude ter a paz com meus filhotes, agora os quatro dorme dentro de casa comigo e o mais velho fica preso e sente falta de mim e eu dele hhhhhhhheeellpppp. Obrigado.

    1. BitCão disse:

      Olá Andressa, antes de qualquer outra medida, você deve castrar todos os seus cães! Cães do mesmo sexo podem brigar entre si e, quando há hormônio envolvido, a chance aumente muito – tanto para os machos quanto para as fêmeas!

  40. Camila Santos disse:

    Bom dia!
    Tenho uma poodle de aproximadamente 14 anos… ela já é bem velhinha, está obesa e possui várias “verrugas” pelo corpo, deixando o sensível.
    Ganhei um filhote de labrador com golden retriever, como já imagina, o filhote é brincalhão, não para um minuto e vive tentando chamar a atenção da poodle para brincar, porém, por já ter uma idade mais avançada ela é mal humorada e fica muito nervosa quando o filhote se aproxima…
    já faz 1 mês que estamos tentando dar um jeito das duas se entenderem…
    temos medo de deixar as duas sozinhas pois a filhote pode machucar a poodle…
    notamos que a poodle está toda dolorida (não acho que o filhote tenha machucado por querer, mas talvez na tentativa de brincar, tenha encostado na poodle deixando a dolorida), queria saber o que devo fazer… estou com medo da minha “velhinha” ficar doente…
    qual o melhor procedimento pra seguir?

    1. BitCão disse:

      Olá Camila, realmente é uma situação onde você deverá ter bastante paciência. O problema não é somente a poodle ser velhinha ou mal humorada, mas o filhote pode realmente machucá-la, dada a sua fragilidade. O ideal seria somente deixar os dois juntos sob supervisão, já que o filhote não tem ainda maturidade suficiente para não ficar chamando a poodle para brincar e acabando por deixá-la ainda mais nervosa.

  41. Rodrigo disse:

    Olá,
    Estava procurando por artigos sobre o tema e acabei encontrando o blog!!!

    Tenho 2 cães adultos em casa, um dog alemão e um fila brasileiro. Recentemente minha esposa ganhou 2 filhotes de boxer, mas a aproximação entre eles esta meio tensa, principalmente por parte do fila.

    As vezes ele parece que quer se aproximar e brincar, mas ao mesmo tempo ele se torna agressivo e quase derruba o portão improvisado que os separa.

    Atualmente quando os pequenos estão soltos os adultos estão presos pra não haver brigas.
    Queria poder passear com todos juntos pra criar um convivio entre eles, mas o fila se recusa a sair e tem medo da coleira, não sei mais o que fazer!!!

    Se alguém puder dar uma ajuda!!!

    Abraço!

    1. BitCão disse:

      Olá Rodrigo, iria te indicar para soltar os filhotes e deixar os o fila preso à guia com você, mas você relata que ele tem medo da guia… O ideal mesmo seria acostumá-lo a ficar na guia, para que assim você pudesse ter o controle dele enquanto os filhotes estão soltos. Separá-los não é a melhor opção, pois assim eles nunca irão se acostumar à presença um do outro. Sem ver o cão fica difícil dar uma opinião correta, mas pelo que você descreve, parece que o fila quer ir conhecer os filhotes, mas não sabe como agir!

  42. Rita disse:

    Olá, meu nome é Rita. Tenho uma lhasa apso com quatro anos. A lhasa entrou na nossa vida quando tinhamos uma dusch já adulta. Houve ciúmes por parte da dusch, entretanto, conviveram em paz e brincavam bastante enquanto a dusch estava saudável. No ano passado a dusch, com 14 anos nos deixou. A lhasa ficou sozinha durante um ano inteiro, porém, lambia muito as patas dianteiras, sendo aconselhada a introduzir outro cãozinho, para fazer companhia a ela. Optamos por outra lhasa, muito fofinha. Não procurei saber antes a forma de introdução desse filhote. Achavamos que seria da mesma forma que a dusch com a lhasa. Nos enganamos. A lhasa que conta com 4 anos não quer aceitar a companhia da filhtinho e esta, por sua vez chora o tempo todo querendo a companhia e chamando-a para brincar. A nova integrante chegou no domingo, conta com 52 dias e é muito brincalhona… Gostaria de saber, agora, como faço para aproxima-las. Desde já agradeço…

    1. BitCão disse:

      Olá, Rita! Você deve mesmo incentivar o convívio das duas, mas sempre sob supervisão, principalmente nesta fase em que a filhota é muito pequena. Alguns cães mais velhos não tem a mínima paciência com os mais novos, e parece que este é o caso da sua lhasa mais velha. Se ela já está acostumada à convivência com outros cães, quando a filhota estiver um pouco maior esta relação será mais fácil. Como disse antes, mantenha o convívio das duas sempre sob sua observação e incentive as brincadeiras entre elas. A hora que a lhasa perceber que a menor é motivo para você dar mais atenção à ela, pode fazer uma associação positiva!

  43. Monica disse:

    Oi Claudia. Tudo bem? Tenho 4 cães em casa. O Flick, fox paulistinha macho de 5 anos, adestrado pela Lord Cão, Fred um poodle adotado idoso e totalmente manso, Pedrita, uma fox paulistinha fêmea de 3 anos extremamente dominante e mimada por minha irmã, todos estão castrados. O quarto membro está conosco há uns 2 meses. É a Bela, uma filhotona de vira, deve ter uns 8 meses e acabou se sair do primeiro cio. Elá é muito submissa e desde o momento em que eu a vi (estava com os outros passeando), foi aceita por todos sem restrição. Fiz os procedimentos adequados para uma boa apresentação e chegada em casa e até a semana passada estavamos todos em paz. Acontece que a Bela entrou no cio justamente quando ia ser castrada. Com isso eu tive que mandar os outros 3 cães para o hotel onde costumam ir, pois apesar de castrados a casa estava virando um hospício. A Bela ficou sozinha comigo e minha irmã. Esta separação durou uma semana e quando todos voltaram (A Bela foi comigo busca-los) notei que a Pedrita estava ficando agressiva com a Bela, encarando e espremendo ela contra os cantos da casa. No último sábado, quando minha irmão voltou da rua, a Pedrita agrediu sériamente a Bela. A Bela como é muito mansa, não revidou e saiu machucada em uma das patas. Eu também me machuquei com um corte de unha na coxa e uma baita mordida no dedão da mão, feitos pela Pedrita. Em tempo. O Pet Corrector não funcionou durante a briga, mas o jato de água foi um bom recurso depois. A partir daí, notei que a Pedrita agredia a Bela sempre que eu ou minha irmã voltavamos para casa e então temos deixado as duas separadas por uma grade quando a empregada vai embora no final do dia, até que eu chegue e as solte (quando nada acontece). Ontem, minha empregada esqueceu de colocar a grade e tivemos novamente uma séria briga, dessa vez dentro do banheiro de empregada, quando a Pedrita machucou a Bela novamente na mesma pata. Dessa vez a Bela revidou e deixou um furo abaixo do olho da Pedrita e muitos arranhões na cabeça, visto ela ser mais alta que sua agressora. Já troquei as capas dos sofás, lavei todas as camas, roupinhas, brinquedos e tapete, pois creio que a Bela possa ainda estar exalando cheiro de hormônio. A castração dela ainda vai demorar pelo menos 15 dias. Pode me ajudar, por favor? Obrigada e um abraço.

    1. BitCão disse:

      Olá Monica, realmente quando temos uma matilha já formada em casa, a inclusão de um novo membro nem sempre é muito fácil, e o fato dela entrar no cio acaba piorando bastante a situação. Você deixá-las separadas enquanto estiverem sem supervisão é uma boa atitude, mas o ideal seria se você pudesse deixá-las sem se ver, para que elas não possam implicar uma com a outra pela grade e acabar gerando uma situação pior. Mantenha assim até que ela seja castrada e o veterinário te informe quanto tempo ela deve ficar mais restrita por conta do pós-operatório. Vá liberando as duas aos poucos, mas se você não se sentir segura em relação às duas juntas, procure a ajuda de um profissional, já que é difícil dar um diagnóstico sem ver as duas.

  44. Débora disse:

    tem um cachorro macho de 7 anos,raça pastor belga,e comprei um husky siberiano macho,meu cachorro mais velho é ciumento,mimado,ja soltei o filhote la fora um pouco pro mais velho cheira ele e ver o comportamento,ele rosnou quando o pequeno ficou chorando e começou a marcar o territorio.como faço pra mais velho aceitar bem o filhote?

    1. BitCão disse:

      Olá Debora, cães mais velhos nem sempre gostam muito da companhia de filhotes, principalmente se não foram acostumados à estarem com outros cães. O importante é que você continue fazendo a adaptação dos dois, mas sempre sob supervisão, para que o mais velho não tome nenhuma atitude não desejada com o filhote. Seria muito bom se você castrasse os dois, principalmente antes que o mais novo atinja a puberdade. Assim, você vai atenuar bastante a probabilidade de brigas no futuro.

  45. Maria Lucia disse:

    Tenho 5 cachorros, 2 pastores alemão, 1 viralata, 1 shitsu e 1 yorkshield. Todas fêmeas.Todas se dão muito bem e não brigam, mas a yorkshield detesta as pastoras e quando ficam juntas ela vai direto morder as orelhas delas e as vezes sai até sangue e as pastoras choram mas não fazem nada com a yorkshield .Devo interferir? Normalmente fico brava com a yorkshield , mas ela nem liga.

    1. BitCão disse:

      Olá Maria Lucia, dependendo da idade da sua york, ela pode ainda estar naquela fase de bebê, onde a energia é alta e ela não mede as consequências na hora de brincar! 🙂 Já que as pastoras não a disciplinam, você deve sempre deixá-las juntas sob supervisão e continuar repreendendo a york quando ela tomar alguma atitude mais desrespeitosa com as pastoras. Agora, só uma preocupação… Elas são castradas? AS possibilidades de fêmeas brigarem na época do cio são grandes, e para evitar estas indisposições entre elas, nada como não ter hormônio atuando nesta matilha.

  46. Carla disse:

    Boa tarde! Eu tenho uma fêmea de Dogue de Bordeuax e um macho Cane Corso, os dois são adultos. Percebo que o macho é mais dominante. Planejo inserir mais um cão na matilha, também de grande porte para gurda. Vocês poderiam me sugerir uma raça e, qual sexo seria o mais indicado. Obrigada!

    1. BitCão disse:

      Olá Carla, fica muito difícil dar uma opinião sem ver os cães, já que você tem raças que são bem potentes e dominantes e as brigas geralmente ocorrem em cães do mesmo sexo. Sempre que colocamos dois machos ou duas fêmeas juntos, o indicado é que todos (machos e fêmeas) sejam castrados, já que as brigas geralmente acontecem por causa dos hormônios. Independente da raça que você escolher, escolha um criador sério e coloque a situação da sua casa. Ele poderá te ajudar a escolher um filhote mais adequado à sua matilha.

  47. Ione disse:

    Preciso da juda de vcs, pois estou com um pit que deve ter em torno de 08 anos, tem uma orelha comida por bicheira, todos os dentes serrados (deve ter sido isca de rinha).
    Quero aproximá-los dos meus 20, como faço?

    1. BitCão disse:

      Olá Ione, você terá que ver como será o comportamento dele com outros cães, já que parece que ele não teve uma vida fácil. Se ele for dominante ou agressivo teremos um problema, pois parece que na sua casa já há uma matilha estabelecida. Uma coisa que você pode tentar para avaliar o temperamento do seu novo pit é colocá-lo junto de um dos seus cães mais calmos, sempre os dois na guia – mas sem que elas estejam muito tensionadas – e veja como eles se comportam. Mas ainda seria mais seguro você contar com a ajuda de um profissional para avaliar a situação.

  48. Michael disse:

    Opa Obrigado BitCão sim eu ja falei com a veterianaria logo que peguei a pit e vou castrar as duas mais a veterianaria disse para respeitar a ordem de liderança e castrar primeiro a pit quando estiver com 6 ou 7 meses e depois a rot aki em casa ja ta decidido ambas serao castradas so estou esperando a pit completar o tempo a questao era so essa preocupação mesmo pois a rot da uns rosnados mais forte derruba a pit, a pit pula em cima da rot parece uma briga de verdade mais nenhuma delas gritam de dor nao se machucam nem nda. Obrigado pelas dicas.

  49. Helbert disse:

    Prezados, a Kiara, pastor alemão, tem 9 anos.
    Há um mês recebemos um filhote. O Ted, Pomerânia, com 3 meses.
    A Kiara não dá muita boa pra ele. ela é muito mansa. foi criada dentro de casa. mas durante as brincadeiras, por ela ser MUITO maior que o Ted, volta e meia o Ted sai chorando. Só a pata da Kiara já é maior que o Ted… rs
    Como faço? deixo eles brincarem assim mesmo?

    1. BitCão disse:

      Olá Helbert, estas brincadeiras são comuns e geralmente fazem com que o adulto discipline o filhote, dê limites e ensine até onde ele pode ir. Nossa sugestão é de que você deixe eles brincarem, mas sempre sob supervisão, já que uma patada mal dada pode trazer sérias consequências. Veja até onde a Kiara brinca com o bebê sem perder a paciência. Na hora que ele a perturbar demais, interrompa a brincadeira redirecionando eles para um brinquedo ou um osso. Assim eles continuam juntos, mas sem incomodarem um ao outro.

  50. Michael disse:

    Bom dia. Seguinte tenho uma Rottweiler de 2 anos, e a 4 meses adotei uma filhote de Pitbull com Boxer, nao precisei nem acostumar uma com a outra soltei a pit no quintal e as duas brincaram um monte, dormem junto, sempre respeito a Ordem dou comida pra rot primeiro saio pelo portao com a rot, enfim ambas me obedecem a pit mesmo estando com 4 meses ja sabe que eu mando, me obedece, ambas vivem fora de casa e dormem enroladas uma na outra na coberta, a questao é elas bricam de luta o dia inteiro, só que parece que tem horas que a brincadeira sai do controle escuto uns rosnados mais fortes uns latidos mais autos da rot para a pit mais elas nao se machucam mais tem hora que eu interfiro, me parece que a pit mesmo filhote e mais dominante que a rot porque a rot é muito mansa qualquer cachorro entra em casa, ja com a pit esta sendo diferente com 4 meses ela sai pra passear e vai latindo pra todos os cachorros da rua nao pode ver um cachorro que arrepia o pelo e faz escandalo mais com a rot eh tranquila tanto que dormem juntas, mais parece que essas brincadeiras de luta entre elas estao ficando mais serias, devo corrigir essas brincadeiras ou deixar alguma estabelecer a liderança, pois eu tenho quase certeza que quem vai mandar no quintal e a pit, tenho um quintal enorme aki mais na hora das brincadeiras a rot esta mais “BRAVA” rosnando mais e etc

    1. BitCão disse:

      Olá Michael, parabéns pela nova filhota! Esta brincadeira de luta é super normal e serve para a filhota experimentar o que pode fazer com a mais velha e até onde ela vai deixar a brincadeira rolar. E no caso da mais velha, para disciplinar e ensinar limites para a mais nova. Sua filhota pode estar se sentindo mais poderosa ao sair na rua por ter as “costas quentes” da mais velha. Você pode corrigí-la sempre que ela tiver uma atitude que você não ache conveniente, como latir para os outros cães na rua. E com a brincadeira de rosnar, se a rott não estiver sendo muito bruta com a pit, deixe que elas estabeleçam a liderança por si próprias. Mas caso haja algum episódio de agressão (mesmo não sendo muuuuito séria) você pode corrigir as duas, sem ser muito pessoal e sem dar razão para nenhuma das duas. O que elas tem que saber é que a casa é sua e você não permitirá este tipo de atitude. Só mais uma coisinha… pense seriamente em castrar as duas. A vida de suas fêmeas sem o cio é sempre muita mais tranquila!