Voltar para os artigos

Como evitar brigas com um novo cachorro em casa

Chega de brigas!

Muitas pessoas que já possuem um cãozinho resolvem ter outro para fazer companhia ao primeiro, ou simplesmente gostam tanto de cães que optam por aumentar a família. Se para alguns a tarefa de reunir cachorros é fácil, para outros pode significar uma tortura. Como fazer os peludos se darem bem e não haver brigas na casa? Se pararmos para pensar no assunto com cuidado, veremos que as variáveis são muitas e as chances de sucesso na introdução de um novo membro na matilha podem ficar comprometidas. É possível pensar em diversas combinações entre o cachorro que vai ser introduzido e o que já está na família e, em cada uma delas, existir uma particularidade (independente do temperamento do peludo atual e do futuro). Precisaríamos de um livro para detalhar todas as possibilidades, então vamos passar uma ideia geral da técnica para se introduzir um novo cão na família e, quando for oportuno, faremos comentários sobre casos específicos.

famiia-texto01

A técnica do passeio

Talvez a forma mais fácil e menos traumática para se apresentar um novo cão à sua matilha seja levando todo mundo para dar um passeio. Um território neutro costuma fazer milagres nas relações caninas. Se você está adotando um peludo adulto, é só colocar todos os seus cachorros nas guias e levá-los para dar uma volta. Logo no início do passeio, peça a alguém – que os seus bichos conheçam e gostem – para se aproximar com o novo membro da família também na guia e caminhem todos juntos, mantendo uma distância segura entre os cães. De início, não pare para “apresentá-los”, simplesmente coloque todo mundo para andar. Se você tem só um cachorro, coloque-o para andar ligeiramente na frente do novato. Já se você tiver uma pequena turma, coloque o que costuma ser o líder na frente e deixe o caçula no final do pelotão. Quando todo mundo já estiver um pouco cansado e aceitando a proximidade do novo cão, é hora de deixar que eles se cheirem.

Procure sempre ficar com os cachorros mais antigos e a outra pessoa com o novo cão. Um monte de carinhos e petiscos ajudam a dar uma sensação de bem-estar entre os peludos. Se você estiver apresentando um filhote a cachorros adultos, é provável que não haja brigas: dificilmente (mas não é garantido) um cão adulto ataca um filhote. E se todo mundo for filhote, aí é que não tem problema mesmo. Eles vão logo se animar e começar uma brincadeira!

A apresentação dentro de casa

Se o filhote a ser apresentado ainda for muito pequeno para ir à rua, apresente os seus cães em “território neutro”, por exemplo, na casa de um amigo. Devidamente apresentados, então é hora de voltar para casa. Faça os seus cães entrarem primeiro, solte-os da guia se você já estiver confiante e só depois entre e solte o novo membro. Se os seus cachorros derem certa “imprensada” no bebezão, não fique excessivamente preocupado. Isso é normal e eles não deverão machucar o novato, que deve se colocar em uma posição física e hierarquicamente inferior aos seus cães. Interfira apenas se os cachorros estiverem realmente machucando o novo peludo, ou se o novato resolver “encarar” o assédio. Neste caso, ponha todo mundo na guia novamente e só solte quando todos estiverem mais calmos. Uma cerca ou um portão para separar ajudam, mas ao mesmo tempo é importante permitir que eles se vejam e se cheirem. Cuidado para não separá-los por muito tempo (mais de uma semana), pois as chances de sucesso ao juntá-los diminuem.

Outra boa estratégia é primeiro deixar o filhote com o cão mais amoroso e paciente da matilha atual num local mais reservado e seguro. Assim, o cão mais novo forma um laço de amizade e companheirismo com um cão que já faz parte da matilha, facilitando a sua aceitação pelos outros membros. Nunca deixe o cãozinho a sós com os veteranos. Apesar de, em geral, o filhote ser bem aceito pelos cães adultos, há casos de ataques e as chances de lesões graves são altas.

 

Alguns cuidados especiais

Certifique-se que o filhote tenha o seu próprio pote de comida, água, paninho ou caminha para deitar e um cantinho para ficar quieto. Aproveite para garantir que o cachorro mais velho tenha um lugar especial para se manter afastado do novato, principalmente quando o cachorro que já estava na casa é adulto e você está recebendo um filhote, ou se o cachorro mais antigo é pequeno e o mais novo é de grande porte.

Reforce, a todo momento, que os que já moravam na casa têm privilégios que o caçula ainda não pode desfrutar. Fale, brinque e alimente primeiro o mais velho. Se o cão “das antigas” resolver tirar o brinquedo da boca do novato e ainda atormentá-lo um pouquinho, deixe. Quanto menos interferirmos nos “arranjos caninos”, melhor!

 

O que é melhor: mesmo sexo e mesma raça?

Cães do mesmo sexo (macho com macho, fêmea com fêmea) tendem a ter maior dificuldade para se adaptar do que quando os sexos são opostos. Além disso, se eles não brigarem enquanto um é mais velho e o outro é filhote, as chances de aumentam quando se tem dois machos ou duas fêmeas adultas na mesma casa.

Se você está pensando em ter cachorros de sexo opostos, mas não quer ou não pode cruzá-los no futuro, castre-os o quanto antes. Acredite, não existe “separar” macho da fêmea quando ela está no cio. Até criadores experientes, com espaço mais do que suficiente, empregados treinados e canis reforçados, já passaram pela experiência de ter um cachorro escalando muros impossíveis, fêmeas passando por frestas inimagináveis e filhotes nascendo de encontros difíceis de terem acontecido! Se você mora em apartamento, não é aconselhável a vasectomia do macho (recurso em que o macho pode cruzar, mas não produz filhotes), pois a choradeira e os uivos durante o período de cio da cadela vão deixar você esgotado e os vizinhos furiosos.

Raças iguais tendem a se dar melhor entre si, mas não é uma regra absoluta. Terriers, de um modo em geral, não deveriam ser colocados com cachorros do mesmo sexo, como também não deveriam ter mais do que um companheiro/companheira. Tenha em mente que quanto mais cachorros a sua matilha tiver, mais difícil será manter a harmonia permanente, tornando a introdução de um novo membro cada vez mais delicada.

 

E se, apesar de todos os cuidados, acontecer a tão temida briga?

Às vezes dois peludos que sempre se deram bem passam a brigar quando adultos, ou depois que um deles teve algum problema e precisou ficar isolado por algum tempo. Nestes casos, é importante tomar as medidas corretivas o mais rápido possível, o que vai impactar bastante no resultado e na frequência de novos confrontos.

Para reduzir os efeitos negativos de uma briga:

* Mantenha cada cão com a sua coleira para ter onde segurá-lo, se necessário;

* Tente separar os briguentos direcionando sobre eles o jato de ar do Pet Corrector, principalmente se seus cães são grandes, quando dificilmente serão separados sem risco de você levar uma grande mordida ou de um cão machucar mais gravemente o outro;

* Quando os cães estiverem separados, leve um por vez, na guia, para passear (o mais dominante sempre vai primeiro). Isso ajuda a acalmar e costuma ser suficiente para os cães esquecerem as suas diferenças. Depois do passeio deixe os dois juntos, sob supervisão temporária, ou presos pelas coleiras e guias à uma distância segura, mas no mesmo ambiente. Uma variante interessante é os dois saírem para passear levados por condutores diferentes na guia e se encontrarem em ambiente neutro, onde poderão interagir à vontade;

* Procure não deixar os cães separados sem se verem por muito tempo. É melhor manter os dois juntos no mesmo ambiente, cada um no seu canto, do que deixar que os peludos “dominem” uma parte da casa e não permitam mais que o outro chegue perto.

Aqui você pode ver como escolher a melhor coleira para o seu cão!

A grande sacada, se você só tem um cachorro, mas vislumbra a possibilidade de um dia aumentar a família, é não perder tempo nem as oportunidades de socializar bem o seu peludo. Comece a socializar o seu filhote com outros cães o quanto antes, procure convidar sempre os cachorros dos seus amigos para visitarem a sua casa. Quanto mais acostumado a “receber” e brincar com amigos peludos o seu cachorro for, mais fácil será para ele aceitar companheiros permanentes na sua casa. Por falar nisso, que tal aproveitar e apresentar o seu filhote a gatos, hamsters, tartarugas, pássaros e outros bichos? Sabe como é, quem gosta de animais deve estar preparado para tudo!

Importante: São poucos os casos em que o cachorro que já está na casa não aceita o outro de jeito nenhum (seja o novato de outro sexo, seja filhote, seja manso, seja o que for),  mas isso pode acontecer. Se você tem um cão com esse temperamento, peça a ajuda de um profissional experiente para fazer a avaliação correta dos seus bichos. Dependendo do caso, pode ser melhor desistir da ideia de ter outro peludo. Não vale a pena viver o estresse diário das brigas, dos cortes, das visitas ao veterinário e a constante preocupação com a quase impossível tarefa de deixar os peludos afastados uns dos outros.

Claudia Pizzolatto

Este artigo tem seus direitos autorais protegidos por lei. É permitida a sua reprodução sem alterações desde que sejam colocados o nome da autora e o link para a webpage da BitCão.

 

Faça o download gratuito do e-book Como evitar brigas com um novo cachorro em casa e descubra as técnicas, dicas e dúvidas frequentes sobre introduzir um novo cachorro na família.

 

Leia também:
Pode brincar de cabo-de-guerra com o cachorro?
Pet Corrector: Educa o cachorro de forma instintiva

 

Deixe um comentário 1180 comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

1.180 comentários em “Como evitar brigas com um novo cachorro em casa”

  1. Denis disse:

    Bom dia!! Muito bom o site, porém preciso de ajuda, tenho uma fêmea de labrador de 9 anos, e recentemente pegamos um filhote fêmea de vira-lata está com 4 meses, ela é muito hiperativa, e fica sempre atormentando a labrador, por exemplo a labrador está deitada, e ela quer brincar e fica pulando em cima dela latindo para ela, porém a labrador não tem mais paciência, pois alem da idade ela está obesa e cansa muito rápido, o que posso fazer para acalmar esse filhote, sendo que ainda ela não tomou a 3ª dose da vacina e não podemos fazer caminhada com ela, e meus vizinhos já estão reclamando. Dar floral seria uma boa opção, separá-las de ambiente também?

    Aguardo a reposta,

    1. BitCão disse:

      Olá Denis, a situação que você está passando é muito normal. Cães mais velhos não tem muita paciência com filhotes, já que o nível de energia é muito diferente. No seu caso deve estar acontecendo da fêmea mais velha disciplinar a mais nova. Você pode deixar elas se entenderem, só interfira no caso dela dar alguma bronca mais agressiva do que deveria. Se for só um “passa fora”, pode deixar, já que a pequena tem que aprender a se comportar com a mais velha. É bem provável que esta situação ainda se prolongue um pouco, mas assim que você conseguir levar a filhota para para passear, intensifique os passeios para deixá-la bem cansada e fazer com que gaste a energia, para não perturbar mais a sua mais velha. Ah… separá-las direto não é uma boa opção. Só o faça quando a situação ficar mais crítica, mas assim que se acalmares, volte a juntá-las.

  2. NÍVEA MARIA MACHADO RIBEIRO PORTO disse:

    Olá! eu tenho uma cadela de 1 ano e 5 meses, não é uma boxer pura, já está castrada. Eu gostaria de adotar uma outra cadela de mais o u menos a mesma idade SRD também, só que bem menor que a Nina. Só que tenho receio do encontro das duas, já que a Nina (boxer) qdo saímos para passear ela costuma ficar muito brava com os cães da rua. O que posso fazer? na minha cidade não tem pessoas especializadas em comportamento animal, e outro detalhe, estou grávida. Queria muito adotar essa outra cadela !!!

    1. BitCão disse:

      Olá Nivea, como a sua Nina já tem uma reatividade grande com outros cães, a situação fica realmente mais difícil… Não é uma tarefa fácil, mas também não é impossível. Tente passera na rua com as duas por várias vezes, primeiro com suas pessoas (cada uma segurando uma cadela); depois a mesma pessoa com as duas, uma de cada lado; até que você possa colocar as duas do mesmo lado. Nas primeiras vezes pode ser que a Nina não reaja bem, mas que com o tempo ela vai se acostumando com a presença da outra e relaxando um pouco mais. Com estes passeiso, você poderá analisar bem mais como a situação vai evoluir e avaliar como será o comportamento das duas juntas.

  3. Izapávia disse:

    Adorei o site me ajudou muito mais ainda me sinto muito insegura tenho uma poodle de 3 anos e um labrador de 2 meses só que a poodle é muito ciumenta será que fiz certo em juntar duas femeas e como fazer a poodle aceitar a labrador sem brigas? Me ajude

    1. BitCão disse:

      Ola Iza, há quanto tempo elas estão juntas? É muito normal os cães mais velhos não gostarem da presença de um filhote, ainda mais quando estão acostumados a serem “filhos únicos”. Faça um teste: cada vez que a poodle estiver na presença da golden, dê bastante atanção à ela e ainda dê uns petiscos para reforçar. Quando ela estiver sozinha, pode dar um pequeno gelo nela… Isso é para que ela tenha a sensação de que a presença da filhota é muito legal, que acontecem coisas legais quando a pequenina está junto.

  4. Vitor disse:

    Existe um número ideal de cachorros que podem conviver juntos sem problemas. Ouvi dizer que depois de determinado número o relacionamento torna impossível. Caso seja verdade, qual o número de macho e fêmeas entre eles. Grato Vitor

    1. BitCão disse:

      Olá Vitor, não existe um número ideal para isso, estamos tratando de seres e não de matemática! Existem grandes matilhas em que os cães vivem bem, sem brigas e disputas. Já há casos em que apenas dois cães não conseguem conviver. Vemos uma série de raças de cães que são menos dominantes e outras bem mais. No caso de raças menos dominantes, a convivência entre seus exemplares á bem mais pacífica, mas mesmo dentro deete grupo pode haver exemplares atípicos. Quanto ao sexo, é sabido que, em questão de convivência, cães do mesmo sexo tem mais tendências à brigas.

  5. Juliana disse:

    Olá, tenho 8 cachorros, 1 boxer não castrado, 1 buldogue francês castrado e mais 03 machos, sendo que 1 castrado e 2 pequenos não castrados mas idosos. 3 cadelas castradas.

    O que aconteceu é que o boxer não pode ver os menores que quer matar e o buldogue não pode ver o poodle que também quer matar. Recentemente resgatei mais 1 viralata que estava com o pescoço ferido, estou com 9 e quase todos separados pois dá briga.

    Está praticamente impossível a convivência porque se solta 1 grupo, prende o outro e assim alternadamente,

    Estou desesperada, não sei mais o que fazer para eles conviveram adequadamente. Inclusive o cão ferido já está com castração agendada e depois disso pretendo doá-lo porque não tenho espaço suficiente.

    Att.

    Juliana

    1. BitCão disse:

      Olá Juliana, é bem difícil dar alguma opinião sobre o seu caso sem ver os cães. O mínimo que posso te orientar é a castrar todos o mais rápido possível, já que sem o hormônio, a tendência é dos ânimos se amenizarem aos poucos. Mas pelo o que você fala, eles já se acostumaram a brigar, e aí é que temos a situação mais complicada… Eu te sugeriria procurar um profissional o mais rápido possível para analisar a situação da sua casa e te dar uma orientação sobre o que fazer com cada um.

  6. ALINE disse:

    Olá!Se puderem me ajudar agradeço, pois estou desesperada!Moro em um pátio grande, com 3 cães grandes(1 labrador-fêmea, 1 srd macho recém-castrado e 1 fêmea srd) as fêmeas brigas as vezes, porém, tenho 1 cadelinha de pequeno porte que morava com meu avô que faleceu, já chorei muito pois não gostaria de doá-la e sim cuidar dela, mas todos estão dizendo que corro o risco deles matarem ela se conseguirem “pegá-la”.Será que consigo adaptá-los?Se a pequena for castrada pode mudar algo?A cadela srd é dócil com pessoas, mas se ela escapa do pátio e tiver cachorro passando na rua ela ataca com tudo.Já aconteceram brigas bem feias entre os meus cães. E tbm não temos o hábito de passear com eles e nem mantê-los em guias, somente a labrador é minha e passeia as vezes.Eles tem o dobro ou mais do que o tamanho da pequena.Ficarei muito grata com uma orientação.

    1. BitCão disse:

      Olá Aline, se as suas fêmeas não foram socializadas, realmente há uma chance de ocorrer um acidente… Por casos como este que sempre orientamos a socialização de todos os cães, independente de tamanho e raça (ou falta dela!). Elas não estarem acostumadas à guia ainda é uma complicação ainda maior, pois a guia seria essencial para poder ver como ela se comporta na presença da pequena e conseguir controlá-la no caso de alguma reação agressiva. Você precisaria de um profissional junto com você para poder avaliar as reações desta sua cadela mais encrenqueiraa em relação à mais nova. Ela já briga com a outra que divide o território com ela…

  7. Paula Cardoso disse:

    Olá temos uma pinscher de 1 ano e acabamos de comprar uma Lulu da Pomerana de 2 meses, a Lulu é super brincalhona mas a Pinscher não da chances. Se a Lulu se aproxima a Pinscher sai de perto, os brinquedos que a Lulu pega a Pinscher só cheira e não pega mais. As brincadeiras da Lulu são de morder e ela tenta morder a Pinscher ai geralmente da uma briga. A pinscher vira o rosto, e vive em cima do sofá que é onde a Lulu não alcança. Fazem 4 dias que estão juntas, e já estou desesperada pois não sei se a Pinscher vai aceitar, gostaria de alguma dica por favor.
    Obrigada!!

    1. BitCão disse:

      Olá Paula, é muito normal este comportamento em cães mais velhos, apesar da sua pinscher ainda não ser tão mais velha assim! Ela está sentindo ter mais um animal na casa. Dê um tempo à ela. Provavelmente quando a Lulu estiver um pouquinho maior, vai perturbá-la um pouco menos. Tente estimulá-las, fazendo brincadeiras que a Pinscher gosta e dando atenção à ela quando a Lulu estiver presente. Já já a Pinscher vai se acostumar a ter mais uma irmãzinha.

  8. Romano disse:

    Olá , tenho um maltês com quase 2 anos em casa e quero colocar um american staffordshire, de 5 meses para lhe fazer companhia , o que vc me aconselha a fazer , será que eles irão se dar bem ?

    1. BitCão disse:

      Olá Romano, é difícil adivinhar se eles se darão bem, mas algumas coisas podem contar à favor. O fato do maltês ser menor pode ajuda, pois muitas vezes os maiores acabam não o vendo como adversários e o fato do Staff chegar depois também pode ajudar. O ideal é que você castre os cois, pois com menor hrmônio dentro de casa, a chance de acontecerem brigas diminui bastante. Já te ocorreu pegar uma fêmea? A chance de acontecerem brigas entre cães de sexos diferentes é bem remota!

  9. Paula Bittencourt disse:

    Olá pessoal da Bit Cão! Preciso de ajuda…
    Tenho um Lhasa Apso Macho e agora adquiri um Akita macho também, o Lhasa tem 3 anos e o Akita está com 60 dias.
    Sei que cães do mesmo sexo tendem a brigar, mas não tem ocorrido nada disso por enquanto, invlusive vou castrar os dois para ver se melhoramos essa questão de território.
    Enfim, lendo essa matéria agora percebi que fiz tudo errado na aproximação, não tinha como apresentá-los antes da chegada do filhote, então o filhote acabou vindo de uma vez, o adulto não briga com o pequeno, esteve um pouco tristinho mas agora já está voltando a comer, e a brincar com as pessoas da casa, porém o filhote chama ele pra brincar e ele corre, sendo que ele é super alegre e brincalhão também! O que posso fazer para conseguir aproximá-los nesse caso, levando em consideração que já iniciei a aproximação incorretamente?

    Obrigada

    Paula

    1. BitCão disse:

      Olá Paula, não tem nenhum problema em apresentar os dois já em casa nesta idade. Geralmente este tipo de aprosentação é mais importante quando os dois cães já são mais adultos. Você escolheu duas raças bem temperamentais e justamente do mesmo sexo, então como você falou, o ideal é mesmo castrar os dois assim que possível. Nesta idade não seria mesmo comum acontecer alguma briga, geralmente acontece quando os dois já chegaram na idade adulta e há alguma possibilidade de disputa de território. O fato do lhasa não querer brincar com o filhote também é super normal. Muitas vezes cães mais velhos não tem muita paciência com os filhotes e preferem se afastar. Espere o Akita ficar um pouco maior que esta convivência tende a se estabilizar.

  10. Henrique disse:

    Bom , eu tenho uma fêmea (vira lata) , ela tem 1 ano e 4 meses … como eu adoto cães , queria adotar mais um (da rua), quero dar um lar para ela , fêmea também … mas pela aparência deve ter mais de 2 anos ela , só que a 1ª que adotei não se dá muito bem … o que devo fazer ?
    Ex : Quando elas se vê a 1ª fica desconfiada … como eu posso para acostuma-los pra conviverem juntos ?

    1. BitCão disse:

      Olá Henrique, o ideal seria que esta aproximação fosse feita fora de casa, para que a sua fêmea não se sinta ameaçada pela outra que vai chegar. Saia com as duas para passear, acostume uma com a presença da outra. Se elas não se implicarem, vã tentando aos poucos que elas se aproximem, até que uma já estaja mais confortável com a presença da outra. Dependendo do temperamento delas, pode ser que este seja um processo um pouco mais trabalhoso.

  11. ALEX NASCIMENTO disse:

    Olá. Eu tenho uma labradora de 4 anos, e agora ganhei um labrador de 2 anos. Mais a minha labradora não quer nem saber dele. Será que leva tempo pra ela se acostumar com o mais novo membro da família?

    Obrigado….

    1. BitCão disse:

      Olá Alex, leva sim um tempo para o cão mais velho se acostumar com o mais novo. São níveis de energia diferentes, o mais velho não quer muita agitação e o filhote só pensa em brincar. Já já os dois estarão convivendo bem melhor!

  12. Carla disse:

    Olá!
    Tenho 2 Shith tzu femeas de 7 meses, sao irmas da mesma nimhada, elas tem brigado muito, principalmente quando tenho visitas em casa ou quando ás levo para a casa das minhas irmas que tambem tem cachorros. Elas nao brigam com os outros cachorros que convivem, mas somente entre elas. Brigam muito tambem quando eu e meu marido estamos em casa. Por favor me ajudem, pois as brigas estao muito constantes e ja machucaram feio (lesão na retina em uma das brigas).

    1. BitCão disse:

      Olá Carla, pelo que você descreve há uma disputa de liderança acontecendo na sua casa. É muito comum entre indivíduos adultos e do mesmo sexo. Parece também que acontecem quando há alguma mudança no ritmo da casa como visitas ou passeios… A princípio o ideal seria castrar as duas, para diminuir a possibilidade da chegada do cio ainda piorar a situação, aliado à um forte trabalho de treinamento de liderança. Elas tem que saber que a fêmea que manda na casa é você! Elas ainda estão entrando na adolescência, uma fase em que isso pode mesmo acontecer. Eu te indicaria procurar a ajuda de um profissional para analisar a situação.

  13. daiane disse:

    ola eu e meu noivo temos um cachorro a uns 6 anos pegamos ele filhote e a menos de um mês arrumamos uma femeá p ele eles cruzarão mas de uns dias pra cá ele esta muito agressivo e nao respeita mas ninguém não deixa ninguém chegar perto dela já ate avançou em meu noivo que cuida dele desde pequeno não sabemos o que fazer vc pode nos ajudar?
    obrigado..

    1. BitCão disse:

      Olá Daiane, o problema é que, agora que ele cruzou, começou a se achar o manda chuva da casa. O ideal seria castrá-lo o mais rápido possível para ver se sem o hormônio, a situação melhora. Junto a isso, iniciar um bom treinamento de obediência para que ele veja quem são os líderes da casa.

  14. Iara Bonfiglio disse:

    Olá! Acabo de me mudar para um apto e temos uma Golden de 8 anos, um amor de tão dócil com as pessoas. Ela foi criada sozinha até os 4 anos, daí mudamos para a minha sogra, que já tinha um poodle toy, eles se deram muito bem. Mas sempre qua passava outro cachorro na rua era um grito só. Agora no apto. ela late para todos os cães quando vai pra rua fazer seu xixi e coco. Tem um vizinho que tem uma lhasa e as duas rosnam uma para a outra. Levamos ela no parque ontem, ficou muito excitada, enlouquecida mesmo, latia para outros cachorros, mas nao rosnou para nenhum. Inclusive quando um pessoal se aproximou com dois caes maiores ela só levantou as orelhas. Eu tenho medo que ela morda ou que se seja mordida, então nem deixo nenhum cachorro chegar perto. O vizinho de porta tem uma yorkshire e queríamos que as duas se conhecessem. Hoje ao chegar em casa com a minha, a dona da outra estava na porta, a pequena louca para ir cheirar a minha, e a minha tremia de nervosa. Nenhuma latiu ou rosnou. Aliás, parecia que minha nem tinha visto a pequeninha, pois estava tão excitada, tremia, babava, pulava em todo mundo. A minha Golden nunca mordeu nem atacou, mas será que deixamos as duas soltas, para se conhecerem? Parece que se eu ficar segurando, a minha fica mais nervosa. A outra estava acostumada a entrar no apartamento onde moro quando abriam a porta, e brincava com uma york que os outros moradores tinham. Acho que se ela entrar a minha nao fará nada, até mesmo pq ela está sentindo muito a falta do amiguinho poodle, que mordia as orelhas e a cauda dela, e ela adorava. Algum outro método? Será que levamos as duas para rua e tentamos lá primeiro? Meu unico medo é: se a minha morder, engole a york na hora! Obrigada!!

    1. BitCão disse:

      Olá Iara, parece que a sua Golden se deu muito bem com o poodle, mas não foi socializada com outros cães. Na casa ela adquiriu o hábito de latir para outros cães, ela só está repetindo o comportamento ao qual está acostumada. É normal os cães se sentirem mais seguros quando estão na guia, assim como atrás de um portão. Ficam numa valentia só! Aí quando ficam soltos, não sabem como agir. O ideal seria socializá-la o máximo possível com outros cães, mas sempre com o cuidado de não deixa-la “engrossar” com eles. Se ela esboçar qualquer reação um pouco mais agressiva, dê uma bronca. Ao mesmo tempo, se ela ficar boazinha, demonstre que ela está no caminho certo. É um processo mesmo de aprendizado de convivência.

  15. Desirée disse:

    Bom dia!
    Em casa, temos dois vira latas, um macho de porte médio e uma fêmea grande. A fêmea domina completamente o território e o cachorro também. Estamos tentando introduzir um outro cãozinho de dois anos de idade, mas que não se deixa dominar e aparente por isso, a fêmea o ataca. Já passamos uma tarde supervisionando os dois tentando acostumá-los, cada um em uma guia, mas os ataques continuam. O que fazer?

    1. BitCão disse:

      Olá Desirée, uma tarde é muito pouco para ter resultado em um caso com este, é preciso muito trabalho e dedicação. Você tem em mãos dois cães com temperamento forte e um precisa se acostumar à presença do outro, e também à situação da matilha. Tente passeia com os dois sem deixar eles se implicarem. Passear ajuda a construir um senso de matilha entre eles e acaba os deixando cansados, o que é ótimo para o nosso trabalho, já que quando chegarem em casa não terão muita energia para ficarem se estranhando. Outra coisa… jpa está toso mundo castrado? Essa é uma forte recomendação, já que os hormônios sempre ajudam a esquentar os ânimos.

  16. Alice disse:

    Oi, moro em uma casa com pátio grande e eu e a minha família sempre tivemos cachorros.
    Recentemente tínhamos um chiuaua de 14 anos e uma boxer de 11, mas há um tempo nosso chiuaua faleceu e ficamos apenas com a boxer. Agora, há uma semana atrás, nós adotamos uma filhotinha de fox paulistinha de 2 meses e 23 dias. Fizemos a apresentação, e aos poucos estamos tentando acostumar as duas juntas. A boxer é super tranquila, nunca atacou ninguém e sempre se deu bem com outros cachorros. Com a filhote nova, até agora ela se comportou como o esperado – estranhou no início, mas não dá muita bola geralmente. Nossa preocupação é que a filhote fica querendo brincar com a boxer de morder e a boxer não está gostando nem um pouco. Ela fica quieta na dela, mas quando a filhote vem atazanar, ela perde um pouco a paciência e vai pra cima. Não creio que ela pretenda atacar de verdade, mas tenho medo de arriscar. Qual seria a melhor coisa a fazer nessa situação? A boxer nunca foi acostumada com a guia, e a pequena ainda não pode passear fora de casa devido às vacinas que faltam. Damo bastante carinho para a boxer quando colocamo-as junto pra ela não se sentir abandonada ou substituída. Será que é muito cedo ainda? Estamos fazendo alguma coisa errada? Queriamos uma orientação sobre isso, pois já tivemos problemas antes em introduzir novos filhotes, e também já tiveram situações em que tudo ocorreu naturalmente. Obrigada!

    1. BitCão disse:

      Olá Alice, aparentemente você está fazendo tudo bem certinho, a única coisa é que eu faria é não deixar a pequenina perturbar muuuuuito a boxer, os cães mais velhos nem sempre tem muita paciência com filhotes (e às vezes eles tem razão! 🙂 ). Continue dando atenção à boxer quando a filhota estiver presente e deixe que a mais velha a discipline, que imponha limites. Só interfira se você achar que a boxes está passando dos limites e assim que ela ficar boazinha, faça festa. Uma semana é muito pouco tempo, dê um pouco mais de tempo à elas!

  17. Thais disse:

    Oi, tenho uma pinscher de 8 anos e agora adotei uma cadelinha de 45 dias mas é SRD, mas a mais velha não quer nem saber da pequena e nem frequenta o mesmo lugar da casa que ela. O que eu faço pra amenizar esse clima?

    1. BitCão disse:

      Olá Thais, é normal os cachorros mais velhos não gostarem da companhia de um filhote, é uma agitação muito grande para alguns deles. O ideal é que você sempre estimule a convivência, fazendo com que eles gostem de estar juntos. Bricadeiras, petiscos… mostre para a mais velha que sempre é legal ter o filhote por perto!

  18. RONNY disse:

    Oi tdo bom estou com um problema em casa. Tinhamos um shitsu em casa que e muito ciumento ai compramos um chouchou que e um brincalhao esta com 3meses mais o shitsu esta muito inritado com a presenca do chouchou me ajude.

    1. BitCão disse:

      Olá Ronny, é normal cães mais velhos não terem muita paciência com os filhotinhos. Você deve sempre supervisionar quando estiverem os dois juntos. Se o mais velho disciplinar o mais novo, pode deixar. Só interfira no caso do mais velho tomar alguma atitude mais agressiva, aí sim você deve dar uma bronca nele. Fora isso, também não deixe que o Chow Chhow atazane muito a vida do Shih-Tzu!

  19. Ramon disse:

    Muito obrigado. Vai ajudar muito!

    Parabéns pelo site e pela atenção/respeito com os leitores.

    1. BitCão disse:

      Obrigada, Ramon! Ainda bem que o texto te ajudou! Tentamos fazer o máximo para ajudar nossos leitores.

  20. Jorge disse:

    Bom dia!
    Em meu apartamento eu tenho um sharpei macho de 4 anos que é territorialista e possessivo. Ele é docil, porém com outros animais ele pode criar birra pela necessidade de ser o dominante. A questão é que, minha mãe adotou um lulu da pomerania, macho e filhote, que chegará em casa terça feira, e estamos preocupados se essa relação vai dar certo ou não. Vc pode dar alguma orientação pra esse caso em particular?

    Obrigado.

    1. BitCão disse:

      Olá Jorge, a primeira indicação é a castração dos dois! Por enquanto o Lulu deve ser bem filhote, mas com a chegada do hormônio os ânimos tendem a se alterar. Mas, especificamente para a chegada, você vai ter que ir com bastante calma. A princípio só deixe o filhote no colo, deixando que o Shar-Pei veja que chegou gente nova no pedaço. Veja qual é a reação dele e, se for boa, o deixe dar uma olhada no filhote quando se sentir curioso, dando o bumbum do filhotinho para ele cheirar. Melhor ainda é fazer isso após um longo passeio com o mais velho, assim ele já gastou bastante energia e estará mais calmo. Se ainda seu Shar-Pei tiver atitudes agressivas com o filhote, te aconselho a procurar ajuda de um profissional para te ajudar com a aproximação.

  21. Ramon disse:

    Olá, Tenho uma fêmea Pitbull misturada com pastor alemão que cuida da segurança da casa. Ela é muito dócil e gosta de brincar com nós (os donos, mas com estranhos ela é muito braba). Estou pensando em comprar um pinscher para fazer companhia dentro de casa (brincar, pegar no colo…), mas fico com medo da veterana não aceitar a presença do novato e o atacar. Li a matéria e acho que vou escolher um macho para para evitar brigas e facilitar a aceitação. A cachorra fica presa no quintal. Se eu comprar um pinscher, ele ficará solto a maior parte tempo. Nesse caso, como devo proceder para “apresentá-los” e fazer com que a minha cachorra não fique com ciúmes do pequeno novato? Eu não pretendo ficar acariciando o pequeno na frente da outra e queria que os dois tivessem uma boa convivência. Obrigado.

    1. BitCão disse:

      O ideal seria saber como é o comportamento dela com outros cães. Ela foi socializada, teve contato com outros cães ou animais? A ideia de pegar um macho realmente é boa, a chance de dar brigas vai sem muuuuito menor. QUando o filhote chegar em casa, não os deixe juntos no início, mas deixe que a sua fêmea veja ele no seu colo e vá fazendo a aproximação aos poucos. O melhor é que ela não fique curiosa demais, para não transformar esta curiosidade em ansiedade. Deixe que ela cheire o bumbum do filhote, se ela quiser dar umas lambidinhas tamém não tem problema. Aos poucos você vai ganhando confiança de deixando os dois interagirem mais. Sempre que o filhote estiver perto, dê bastante atenção à ela e petiscos, fazendo assim uma associação positiva ao filhote. Bem tudo vai depender da aceitação dela com outros cães!

  22. fernanda disse:

    Olá. Tenho duas cadelas e um cão. Uma delas entrou no cio e teve que ser afastada. Agora ela voltou, mas o cão ainda quer subir emcima dela. O que faço? Isso eh normal? ELes todos eram bem amigos, mas tenho medo que briguem… eh normal ficarem incomodando a cadela que retornou?
    Obrigada..

    1. BitCão disse:

      Olá Fernanda. Se ainda não passou um bom tempo é normal, já que ela ainda poe estar apresentando o cheiro do cio. Mas o ideal seria que todos fossem castrados, aí sim você reduziria muito o risco de brigas em um próximo cio, principalmente entre as duas fêmeas.

  23. Cecília disse:

    Boa tarde.
    Tenho 4 cachorros (3 machos e 1 femea) que sempre conviveram bem, respeitando a hierarquia do mais velho. Um dos machos tem um ano e foi atropelado, fez duas cirurgias e esta reaprendendo a andar aos poucos. Há mais ou menos um mês, um dos machos (que NÃO é o líder) vem brigando com o mais novo sem nenhum motivo aparente. Eles comem em locais separados, não dividem brinquedos ou panos, mas eles tem de permanecer separados no tempo em que estão sozinhos, porque senão o mais forte avança no mais fraco com muita violencia, enquanto a femea e o macho lider defendem o mais fraco. Não sei mais o que fazer, ja tentamos de tudo, mas se eles ficam sozinhos, dá briga na certa, e das feias.
    Se voces pudessem me ajudar, agradeceria muito! O que ataca tem cerca de 4 anos, e o atacado 1 ano!

    Desde já agradeço!!

    1. BitCão disse:

      Olá Cecília, fica difícil dar opinião em uma situação como a sua sem ver os cães, mas vamos lá! Você tinha uma matilha formada e em harmonia. Quando um dos machos saiu, sua volta não foi bem aceita pelos outros, o que é normal acontecer em matilhas. Devido à idade dele, ele já passou de “filhotão” para adulto, e pode ser uma ameaça para o cão um pouco mais velho que ele. Eles estão TODOS castrados (inclusive a fêmea)? Esta seria a solução mais rápida para o seu caso, principalmente se for feita rapidamente, antes que as brigas se tornem um hábito. Castrar os machos vai tirar a testosterona presente no ambiente, que é o combustível para muitas brigas. Já a fêmea deve ser castrada, além da saúde, mas para que o cio não seja mais um fator de brigas. Se passados mais ou menos uns 6 meses de castrados e as brigas continuarem, o ideal seria pedir a ajuda de um profissional para poder te ajudar a restabelecer a paz que você tinha antes.

  24. Pedro disse:

    Olá bitcao, tenho uma Husky com 12 anos (tenho-a desde um ano e meio, não castrada) e há duas semanas que tenho uma Serra da Estrela com 2 meses, apresentei-as em território neutro e levei-as para casa.

    A Husky aceitou bem a Serra da Estrela, até deixa a mais pequena beber e comer dos pratos dela, meter-se na cama dela, andar no território dela, tudo numa boa, mas a coisa fica feia quando a pequena ladra para ela e morde constantemente a cauda e o rabo da Husky, a Husky já tentou vários corretivos com rosnares subtis como quem diz “despega!”, o último foi até mais forte, mas a Serra da Estrela não despega nem por nada e só quer morder na brincadeira o rabo e a cauda da Husky.

    O pior de tudo é que eu decidi arriscar misturar estas duas raças sabendo que o Serra da Estrela é um cão que guarda o rebanho dos lobos e o Husky tem sangue de lobo e come o rebanho…no entanto no site da Associação do Cão da Serra da Estrela diz que eles convivem com outras raças se for desde pequenos. Por outro lado a Husky é calminha, nunca gostou de brinquedos, sempre gostou de correr e dormir e não faz mal a uma mosca, quer é paz e tranquilidade.

    Sei que nos cachorrinhos é normal morderem, eu brinco com ela com brinquedos de morder, mas estes “ataques” na brincadeira à Husky tão obcessivos são normais? Devo preocupar-me?

    Conhecem algum exemplo de raças supostamente “opostas” a darem-se bem?

    Sem trela e sem poder passear na rua como posso resolver isto das mordidas?

    Devo castrar a mais pequena quando tiver idade?

    Obrigado!

    1. BitCão disse:

      Olá Pedro, o que está acontecendo na sua casa me parece ser mais um problema que vai melhorar com a idade e a maturidade da mais novinha. Alguns filhotes são bem atentados mesmo, precisamos mesmo de mais supervisão no trato com os mais velhos. Pelo que você descreveu, sua Husky está sendo bem paciente. Desde que ela se mantenha assim e você consiga controlar um pouco mais o gênio da Serra da Estrela, a chance é de que as duas convivam cada vez melhor. Quando ao fato de serem duas fêmeas, isso pode realmente ser um fator de “risco”, já que cães do mesmo sexo tender a brigar, mas com um bom manejo e sabendo que a Husky já é bem mais velhinha, pode ser mesmo que não haja risco. Mas fique sempre de olho! Quanto à castração, eu sempre indico. Para as fêmeas mais por questão da saúde,mas no seu caso também para evitar alguma briga durante o cio.

  25. Lígia disse:

    Olá, eu tenho dois basset um macho de dez anos e uma fêmea de quatro anos (castrada). Bem acontece um cachorrinho foi resgatado da rua e pensamos em ficar com ele só que a a fêmea é muito ciumenta e não aceita de jeito nenhum um terceiro cachorro na casa. Ela já mordeu um maltes da minha cunhada que passou uns dias aqui em casa. O macho é bem tranquilo e aceita porém ela não quer de jeito nenhum rosna e tenta morder. Não há como ela aceitar?

    1. BitCão disse:

      Olá Lígia, cães de sexos opostos geralmente não brigam, seu caso não é muito comum, mas me parece que ela não foi muito socializada com outros cães. O ideal seria apresentá-los em um local neutro (fora de casa) e levá-los para passear sem deixar que se impliquem. O passeio ajuda o sentido de matilha e o fato de estarem fora de casa ajuda (não há a territorialidade). Assim que os dois estiverem bem cansados do passeio, leve-os para casa e oe mantenha na guia, você pode até prender cada um em um lado da sala, para que se acostumem à presença um do outro em casa. E assim vai evoluindo, até que ela aceite a presença do novo cãozinho.

  26. Liliane disse:

    Olá, tenho um cão adulto de em média 6 anos,ele é de porte médio raça indefinida, ele é um pouco “ranzinza” rosna para outros animais e para pessoas da família, a não ser eu quando vamos dar banho ou tosa-lo, ele também é bastante ciumento quando vamos dar carinho a nossa cadela da mesma idade dele ele sempre quer tomar o lugar dela. no ultimo ano adotamos um outro macho de rua ainda era filhote e os dois foram se acostumando até alguns dias atrás onde enfrentamos a primeira briga dos dois, da para se perceber que por parte do meu cão mais velho é ciúme, e o cão mais novo está começando a aprender o que é ser adulto então ele não se intimidou com os rosnados do mais velho. Não quero deixar os dois separados, quero que eles se respeitem, o que posso fazer além de castra-los, se eu castrar apenas o mais novo será que a situação se resolve? pensei em deixar ambos de focinheira até eles voltarem a se dar bem. é uma boa idéia? Quando o mais velho rosna sempre repreendemos ele, e se vê que o mais novo quer apenas ficar por perto do mais velho.

    Agradeço desde agora ! aguardo sua resposta.

    1. BitCão disse:

      Olá Liliane, para ser bem sincera, o ideal é castrar os dois. Na verdade eu também castraria a fêmea por conta do cio, que pode ser mais um fator para causar brigas entre eles. Além disso, aula de adestramento seriam uma ótima maneira de reforçar a liderança de vocês e casa. A ideia da focinheira quando os dois estiverem soltos não é de todo uma má ideia, só que eu só o faria pelo menos um mês após a castração dos dois.

  27. Marcos Paulo disse:

    Ola.
    Bom meu caso e um caso bem simples.
    E que ja temos um cachorro em casa, mais chegou um outro caozinho, que no caso ainda e filhote.
    Mas o cao mais velho, nao esta aceitando ele.
    Ja tentamos o passeio com os dois mas nao adiantou.
    Petiscos tambem nao deu muito certo.
    Sera que tem alguma outra forma de tenta aproximalos.. ??

    Obrigado !!!

    1. BitCão disse:

      Olá Marcos Paulo, aparentemente o que você precisa é de tempo! Com um pouco de supervisão e bastante paciência você vai conseguir com que se acostumem. Cães mais velhos não têm muita paciência com filhotes, assim que o pequeno se acalmar um pouco a convivência será mais tranquila. Se ainda assim você se sentir inseguro quanto aos dois, procure ajuda de um profissional, vai ajudar bastante a aproximação!

  28. davi pedroza disse:

    Olá amigo… estou com um problemão. Eu já tinha um dalma de um ano, e em uma viagem eu e minha familia adotamos um cão abandonado de aproximadamente uns 2 anos. O que acontece que quando eles estão juntos o dalmata monta no outro com intuito de cruzar, logo o outro não deixa, mas esse não deixar que um problemão pois eles começam a se morder. Você tem alguma sugestão para isso? ?

    1. BitCão disse:

      Olá David, são dois cães adultos que agora disputam o mesmo lugar. O que eles estão fazendo não é cruzar, mas tentar impor liderança um ao outro. Por isso que um acaba mordendo o outro, o ato de montar em cima do outro já demonstra a falta de respeito e aí começa a briga. Antes de mais nada, o indicado é castrar os dois o mais rápido possível, antes que as brigas se tornem um hábito e você não consiga mais reverter esta situação.

  29. Verginia Aparecida Ribeiro disse:

    Por gentileza, preciso tentar dois cães grandes a conviverem juntos, eles não se conhecem. Um fica na varanda o outro no quintal de baixo. Um é uma labradora Idosa, mas tem energia para dar e vender, o outro é um mestiço Rottweiler, idoso, mais calmo, mas gostar de brincar quando me vê, eu quero tentar deixar os dois juntos na caranda., como posso aproximar os dois?

    1. BitCão disse:

      Olá Verginia, juntar os dois tem uma chance bem grande de dar certo simplesmente por serem indivíduos de sexos diferentes, o que geralmente não acaba em briga. O ideal é que você saia bastante com os dois para passear. Isto vai aumentar o senso de matilha e fazer com que os dois convivam em um ambiente neutro. Quando estiverem bem cansados, deixe os dois ainda na guia, mas no mesmo espaço, e estimule os dois a brincarem. Veja como se comportam, se um respeita o outro, se sai alguma confusão… Assim você pode ter uma ideia melhor de como se comportarão vivendo no mesmo espaço.

  30. Ravine disse:

    Olá, tenho dois cachorros vira-latas q tirei das ruas, sendo q o 1º q peguei é um macho e a 2ª uma fêmea, no início ele ficou meio intimidado com ela, mas depois ela conseguiu conquistá-lo e hoje são super amigos, apesar dela aporrinhar ele o dia inteiro querendo brincar, pelo fato de ainda ser novinha.
    Mas eu e meu marido queríamos um cachorro com mais porte, e mais bravo para tomar conta do quintal, pois vamos nos mudar para uma casa com quintal grande. Então decidimos comprar um Ameriacan Pit Bull, como não temos muito espaço ainda na casa onde estamos hoje, resolvemos deixar a fêmea na casa da minha mãe, até nos mudarmos. Enfim, trouxemos o Pit pra nossa casa, já tem uns 15 dias, ele vai fazer 2 meses, e o outro macho (o vira-lata) não se dá com ele de jeito nenhum, eles até se cheiram mas o maior do nada ameaça morde-lo e eu fico desesperada!
    O pior é q o filhote de Pit Bull, sempre começa a latir e a rosnar pra ele, e eu não sei se ele esta só brincando ou ta enfrentando mesmo, estou criando ele pra ser um cachorro dócil. Não quero de forma algum q fique agressivo.
    O q eu faço para os dois serem amigos? Tem chances para isso acontecer, será q quando ele crescer eles vão brigar? Pela força q um Pit Bull tem, fico com medo da briga dos dois. Não quero me desfazer de nenhum deles, pois gosto de todos ouvi dizer q não tinha problema nenhum, pois o pequeno ia respeitar o q chegou 1º, mas isso não esta acontecendo. Me ajuda por favor, me da algumas dicas do que posso fazer. E ainda tem o fato de quando a fêmea voltar para gente. O que também me preocupa!
    Obrigada!

    1. BitCão disse:

      Olá Ravine! Sinceramente, é muito difícil analisar seu caso sem ver os cães… Você tinha uma matilha estabilizada e agora, com a introdução de um novo membro na matilha, esta estabilidade se foi. É normal isso acontecer, só tem 15 dias que o filhote chegou, mas é preciso que você consiga discipliná-los. Tente colocar o mais velho na guia enquanto o filhote fica mais solto. Assim, se ele partir para a agressão contra o filhote, você pode controlá-lo e não deixar que nada de mais grave aconteça. O importante é incentivar que os sois fiquem juntos sem brigar: tente bricadeiras, exercícios, etc. Deixar a fêmea fora de casa também não é uma boa ideia. Assim, mesmo que as coisas se acalmem entre os dois machos, assim que ela voltar a matilha torna a se desestabilizar de novo! Se mesmo você estimulando a convivência entre os dois, nada der certo, te aconselho a procurar a ajuda de um profissional de comportamento canino, assim você vai conseguir resultados muito melhores e em menor tempo. Ah, mais uma observação! O importante é que TODOS sejam castrados. O hormônio no ambiente não ajuda em nada neste caso.

  31. Débora disse:

    Tenho uma cachorra, SRD, porte grande, castrada de 6 anos, Sempre foi dócil,mas excelente cão de guarda. Há 3 meses trouxemos para casa um filhote- fêmea de pastor alemão, hoje com 4 meses. Elas conviviam bem até a última semana. Da noite para o dia a mais velha passou a atacar a pequena de uma forma extrema, parece que quer matá-la. Separamos por um dia e tentamos uma nova aproximação, novo ataque, ainda mais violento. Estou muito triste com a possibilidade de ter de doar a pequena que tanto gosto. Vocês poderiam orientar-me em como ligar com a situação? Obrigada

    1. BitCão disse:

      Olá Débora, fica difícil falar sem ver a situação de perto. Tem várias coisas a serem avaliadas em conjunto, como a socialização da sua cadela com outros cães, se já tem um histórico anterior de agressividade com cães e/ou pessoas, etc. Uma das possibilidades pode ser somente dela estar tentando disciplinar a pequena, mas de uma forma errada… bem, o ideal seria contar com um profissional para avaliar o caso, já que não queremos que a pequena saia machucada no caso de ser uma real agressividade contra ela!

  32. Mayara Ribeiro disse:

    Boa Tarde!
    Estamos tendo dificuldades com nossas cadelas…bom temos uma Weimaraner de 14 anos (Dolly) e uma mestiça com 4 anos e meio (Lilica) que adotamos…desde de que as duas começaram a se socializar a Dolly de 14 anos não viu nenhum problema só ignorava a Lilica. Só que a menor começou a ter comportamentos agressivos e territorialista como: comer no pote maior, expulsar a maior da casinha para ficar lá dentro, pegar as fezes e colocar nos cobertores das duas…tirando o fato que ela é bastante agressiva com a Dolly, ela sempre fica muito machucada pq ela não revida (acho que é pq esta idosa) já não sabemos o que fazer, estamos todos estressados com essa situação..Vocês podem nos orientar?
    Obrigada pela atenção

    1. BitCão disse:

      Olá Mayara, brigas entre cães do mesmo sexo são mais frequentes, mas não devem ser aceitas! O ideal é vocês fazerem um trabalho de reforço de liderança com a Lilica. Como ela jpa percebeu que a Dolly está mais velha e sem condições de revidar às suas ionvestidas, ela simplesmente quer mostrar que agora é ela que manda no pedaço. Isso não quer dizer que ela seja uma cachorro má, apenas faz parte da natureza canina, onde as regras são estabelecidas pela hierarquia. Este reforço de liderança começa aliando o trabalho de um adestramento de obediência básica com a supervisão do comportamento dela em casa e broncas quando ela tiver alguma atitude mais desrespeitosa ou agressiva com a Dolly. Assim ela pode perceber que não manda tanto assim na casa, mas que vocês é que são os lideres!

  33. Natalia disse:

    Tenho uma poodle de 5 anos, que é muito mimada e territorialista, e sempre foi filha única. Adotamos há 2 dias uma shihtzu de 1 ano, que foi abandonada pela ex-dona. O fato é q a poodle não aceita a novata de jeito nenhum! Separamos as duas por um portaozinho mas a poodle late pra shihtzu o dia todo! Não aguentamos mais! O que podemos fazer?

    1. BitCão disse:

      Olá Natalia. É normal isto acontecer, já que a sua poodle era “filha única” e agora chegou uma nova cachorrinha para dividir a atenção com ela. Nem todos os cães gostam de um outro animal dividindo o território com eles, principalmente quando é um cachorro do mesmo sexo. Tente sair para passear com as duas sem deixar que elas impliquem uma com a outra. Com as duas já bem cansadas – isso ajuda bastante! – mantenha elas na guia e veja a reação das duas em casa. Com a guia fica mais fácil controlá-las em caso de um comportamento imadequado. Corrija e mosttre que na sua casa você não permite brigas. Se mesmo assim não melhorar em nada, o ideal é procurar por ajuda de um profissional.

  34. keila disse:

    Olá, eu tenho um york normal de uns 2, 3 anos e comprei um shih tzu de 50/60 dias, o york não gosta do filhote (ambos são machos), cada um tem seu pote de comida, sua cama, e tudo mais. Hoje quando deitei na cama, ambos deitaram também, sem problemas, mas o filhote foi cheirar o york e ele simplesmente avançou nele, o que eu posso fazer para que o york aceite o filhote e para que eles não briguem?? eu tinha um boxer antes do shih tzu, e ele com o york não brigavam nem quando o york chegou, e agora o york não aceita um filhote? Será que ele esta com ciumes ou algo de gênero?

    1. BitCão disse:

      Olá Keila, é normal cães mais velhos tentarem disciplinarem os mais novinhos. Alguns não tem muita paciência e acabam dando uma bronca muito dura no filhote. Se você achar que a bronca do seu York foi demais para o filhote, você pode dar uma bronca nele e mostrar que você não admite que ele o trate assim. Muitas vezes só isso ja melhora bastante! Outra observação é a de você não deixar de castrar os dois o quanto antes. Por serem dois machos juntos, a chance de ocorrerem brigas quando o mais novo chegar na puberdade podem ser grandes.

  35. Louise disse:

    Recentemente resgatei uma cachorrinha mistura de maltês, que estava bem maltratada, ela deve ter uns 4 ou 5 anos. Eu já tenho um macho castrado, mistura de bichon frise, de dois anos, muito mimado. No começo ela rosnava pra ele, tentou avançar algumas vezes e ele deixava ela fazer oq quisesse. Agora ele não quer que ela fique mt perto, ela chega e ele sai. Ela quer sempre atenção, seja nossa ou do meu cachorro, é mt carente. Eles não brigaram, mas sinto o meu cachorro um pouco incomodado com ela. Será que ele se acostumam?! Oq posso fazer pra que eles fiquem mais juntos?!

    1. BitCão disse:

      Olá Louise, é normal esta adaptação entre eles, deixe que o tempo vai fazer com que eles se acostumemm à presença um do outro. Por serem cães de sexos direfentes, a chance de uma briga ainda diminui bastante! Fique tranquila mas também de olho. Aos poucos a situação da sua matilha volta ao normal.

  36. Liana disse:

    pessoal estou em um dilema .tenho uma poddle de 12 anos extremamente docil . Afotamos um vira lata de 2 anos femea ( ambas) e castradas. não brigaram mas a mais velha ignora a presença da irmã nova.Hoje pe o segundo dia . Elas tem agua e comidas separadas cada uma tem seu pote e sua cama. Mas a nova integrante da familia quer a cama da minha cadelinha e o espaço dela também, como ela é muito mansinha tenho medo de ficar estressada e a nova cadelinha “dominar ” espaço dela e a ideia é ela ser companhia . Como procedo ? o que faço ?

    OBS: a cadelinha adotada sofreu muito nas ruas, nao sabe andar na guia , nao sabe nadinha de vida “Boa” …

    Me ajudem .. abçs

    1. BitCão disse:

      Olá Liana, isso que está acontecendo na sua casa é mais que normal. Dê um tempo para as duas se acostumare. Logo a sua matilha entrará em harmonia novamente!

  37. roberta lacerda de santana disse:

    estou desesperada tenho quatro cachorros dois estao se agredindo com frequencia chegam a se ferir por favor preciso de ajuda estou com medo de um matar o outro

    1. BitCão disse:

      Roberta, no seu caso, procure rapidamente a ajuda de um profissional de comportamenteo canina, não há como ajudar à distância além de mandar castrar todos.

  38. walter disse:

    Ola, tenho um pug de 1 ano e meio super docil mas muuuito afoito e agora nos adotamos um filhote de uns 3 meses de rua vira lata que foi abandonado tambem super docil, contudo, quando ele chega perto do pug ele avança p morder, oq faço? Ja botei eles perto e ja deitaram juntos eja se cheiraram mas quando o pug vira a cara na direcao do vira lara ele avança no pug oq faço?

    1. BitCão disse:

      Olá Walter, fica difícil falar sem ver a situação de perto, mas você já pensaou que o bebê pode estar com medo so seu pug? A respiração do pug pode parecer um rosnado para cachorrinhos mais inexperientes… Você pode colocar o mais novinho em um cercado e ir acostumando ele com a presença do pug.

  39. Adriele disse:

    Olá! Recentemente compramos um filhote de Lhasa Apso, que esta com 3 meses e se chama Luke. Ha dois dias atrás, adotamos um outro filhote de 4 meses, o Wiz. Ele é uma mistura de poodle com shih tzu Pensamos que por serem dois filhotes, se dariam bem com facilidade, mas esta sendo o contrário. Luke se sente enciumado e mesmo sendo mais novo e menor, briga muito com Wiz quando estao perto, já Wiz é muito brincalhão e por ser mais alto machuca Luke sem querer. O que podemos fazer? Ja tivemos que deixá-los separados, cada um tem seus proprios objetos também, mas e só juntá-los que se dão início às brigas.

    1. BitCão disse:

      Olá Adriele, me parece que o Luke vai ser bem temperamental, hein? Com esta idade eles ainda não deveriam estar brigando, mas aparentemente o Luke desde já demonstra uma possessividade que deve ser controlada o mais rápido possível. A primeira medida a ser tomada, é a castração dos dois assim que o veterinário liberar, Eles ainda não estão brigando por causa do hormônio, são muito novinhos, mas imagina quando entrarem na puberdade? Fica difícil avaliar sem ver o comportamento dos dois, mas você tem que conseguir mostrar para o Luke que o comportamento dele é totalmente indesejado e que ele não pode brigar com o Wiz porque você não quer. Aulas de adestramento básico seriam bem interessantes no caso deles, procure por um profissional na sua cidade que atenda à cães filhotes, acho que isso iria melhorar bastante a situação, dando limite para eles.

  40. rudy zimmer disse:

    Ola
    estou enfrentando um problemao, tenho uma mestiça pastor, de 4 anos uma poodle gg de 10 e uma pincher de 5 e de uns tempos pra ca a pastor resolveu atacar uma poodle gg, ela machucou gravemente a poodle por 2 vezes, para evitar mais brigas enviei a poodle para a casa do meu pai, agora ele resolveu brigar com a pincher!! nao sei mais o que fazer!!!!

    1. BitCão disse:

      Olá Rudy, uma perguntinha… estas brigas aconteceram na época do cio de alguma delas? Mesmo que não, o que acontece é que sua pastora provavelmente atingiu sua maturidade, viu que a poodle está ficando velhinha e resolveu que quer se tornar a líder da casa. Sem ver ao cães fica difícil entender exatamente o que está acontecendo, mas com certeza aulas de adestramento tem tudo para melhorar a sua situação, além de você ter um profissional por perto para te ajudar com o trabalho.

  41. Isabela M. disse:

    Olá bitcão. Bom meu caso é o seguinte, tenho uma poodle toy fêmea de 7 anos, e recentemente adotamos uma outra fêmea SRD, a mais velha tem medo da filhote que quer brincar, mas percebemos que a brincadeira da menor é morder, ela gosta de morder tudo que tiver pela frente, inclusive a poodle, precisamos separar pra filhote não morder a maior e causar problemas, a maior nunca rosnou ou tentou atacar a filhote, se continuarmos a deixar elas separadas pode acontecer algum problema no futuro? Se elas precisam pelo menos ficar no mesmo ambiente como posso fazer isso acontecer? Obrigado, espero resposta

  42. gilda disse:

    tenho um cão de 2 anos e estou morando onde há outro de 10 anos. Meu cão não o aceita, até baba quando o vê.isso faz um mês. O meu ficar na área de cima e o outro vai até lá e às vezes ataca pela grade, mas o meu fica sempre o esperando e rosnando.Quero que sejam amigos. como faço?Um é pastor alemão 10 anos o outro mistura de outra raça com hot weiller.

    1. BitCão disse:

      Olá Gilda, o ideal é que os dois sejam castrados, já que sem o hormônio a chance das brigas diminui bastante. Você já tentou sair com os dois juntos para passear? É uma boa ideia já que aumenta o gasto de energia enquanto você tem os dois controlados na guia e não os deixa se implicarem. Os passeios frequentes aumentam a sensação de matilha entre os dois.

  43. Luan disse:

    Olá , Tenho Um cachorro de pequeno porte vira latas que adotei , muito brincalhão e tudo , nao tem problemas com os cachorros dos vizinhos , que são do mesmo tamanho dele , agora trouxe meu pastor belga pra morar com a gente , mais ele ficou nervoso e insiste em bocar ele , morde toda hora que o pastor belga chega perto dele , detalhe que o pastor belga tem uns 5 anos já , e o vira lata nao tem nem 1 ano e meio ainda , e quando o vira lata boca ele , ele nao faz nada , nao revida nem nada , mais tenho medo de deixar junto pq ele pode extressar e machucar o pequenino. o que eu devo fazer ?

    1. BitCão disse:

      Ólá Luan, é difícil responder sem ver os cães, mas parece que o seu viralatinha é bem dominante e não está aceitando o seu pastor. Acontece que para ele, a casa é dele e não quer aceitar outro cão macho por perto. O ideal é fazer um trabalho de adestramento com os dois, assim reforçando sua liderança e fazendo com que os dois convivam no mesmo espaço. Importantíssimo também é castrar os dois!

  44. taiza disse:

    Olá,tenho um casal de pastor alemao,macho 2 e meio e a fêmea 1 e meio,os dois são muito antisociais com outros caes,porém estou pensando em adotar um cão que nasceu cego,ele tem um ano e é da mesma raça, ninguém quer adotar cão adulto e cego,mas eu quero e estou disposta a tentar,,gostaria de saber como posso fazer pra que não tenha briga entre eles,meu medo é o macho que é muito bravo…me ajude pois eu quero muito esse cão que está precisando muito de um lar,amor e carinho..

    1. BitCão disse:

      Olá Taiza, seu caso é bem difícil, já que tem dois cães que não são socializados com outros cães e o que você quer adotar terá limitações até para se defender… Na minha opinião, você deveria contar com a ajuda de um profissional na sua casa para tentar resolver este tipo de situação, de longe não há como ajudar muito…

  45. Victória disse:

    Olá, tenho um poodle de 8 anos e há 2 meses peguei uma filha dele para criar, mas ele não a aceita e é só ela chegar perto que ele já avança, mesmo que ele não a machuque ele sempre faz isso. O que eu posso fazer para eles terem uma boa convivência?

    1. BitCão disse:

      Olá Victória, você precisa começar a estipular os limites! Cada vez que ele avançar na fêmea, dê uma bronca nele e o tire de perto, para ele ver que avançar não foi um bom negócio. Ele só começa a ganhar de novo os privilégios quando começar a se comportar bem.

  46. Catarina M. disse:

    Olá bitcão, gostava que me aconselha-se pois tenho uma cadela de raça pequinês um pouco anti-social digamos, já não é propriamente nova tenho-a comigo à cerca de 8 anos quando a comprei um primo meu tinha arranjado um cão também a raça era parecida e ambos se davam bem tendo em conta que a minha era mais activa queria brincar e andava sempre comigo já o do meu primo preferia dormir mas davam-se bem não havia problemas com o passar do tempo afastaram-se e a minha cadela nunca mais socializou com outro cão a uns meses outro primo meu adoptou um cão e num dos passeios diários que dou com a minha cadela encontramos-o foi terrível pois o cão era bebe mas muito activo e a minha menina teve muito medo queria fugir e chegou a espumar da boca, ele agora está maior que ela e frequenta a nossa casa ela não gosta que ele lhe toque nem quer brincar com ele, ela quer estar sossegada e não quer brincar com ele e ele por sua vez apenas pretende brincar mas se ele lhe toca ela desata a ladrar e atira-se a ele, nunca lhe mordeu mas mostra-lhe bem os dentes, ele é um cão hiperativo e não a deixa em paz se ele não a chatear ela não lhe liga nenhuma mesmo mas pronto torna-se insuportável de os ter juntos. Agora encontro-me preocupa porque daqui a 2 meses terei outra cadelinha é um cruzamento de boxer com rhodesian ridgeback e estou bastante preocupada em como será o relacionamento delas, a minha cadela mais velha é muito mimada e está habituada a ter tudo para ela, estou com receio que ela fique triste com a chegada da nova bebezinha ou que se dê profundamente mal com a nova e que possam haver brigas mais tarde, o que devo fazer? Ajuda-me

    1. BitCão disse:

      Olá Catarina, o fato de não ter acostumado sua cadela com outros cães torna o trabalho bem mais difícil, mas pelo que você descreve, ela demonstra que não gosta do assédio de outro cão, mas não parte para o ataque. Que tal, quando seu primo for na sua casa, manter o filhotão dele na guia? Assim os dois se acostumam a ficar no mesmo ambiente controlados, sem brigas. Aos poucos, quando o interesse dele estiver passando, tente soltar e ver se não brigam. O fato da convicência da sua mais velha com uma filhota também não há como prever. Alguns cães, apesar de não gostarem, acabam se conformando e convivendo com o novo integrante da matilha numa boa, já outros são mais persistentes e encrenqueiros…

  47. Aline disse:

    Olá, tenho uma cadelinha porte pequeno em casa, e estou pensando em adotar um cão macho de porte médio. (A cadelinha é vira lata e o cão é chow chow), ambos não castrados.
    Porém o macho foi maltratado pelo seu antigo dono, e esta meio arisco, desconfiado, tenho medo de colocar os dois juntos logo de cara, pelo menos até ele se acostumar com o ambiente e com seus novos donos. Como posso agir para que não haja conflito entre os dois?
    E há o risco dele tentar pegar ela pra cruzar e machuca-la? Já que ela é menor que ele ?

    1. BitCão disse:

      Olá Aline, começando pelo risco dos dois cruzarem, há sim e muito! Provavelmente vai acontecer caso não sejam castrados. Sobre a aproximação dos dois, vai depender muito de como elas agem na presença de outros cães. Se forem socializados, já é mais de meio caminho andado. Como o Chow passou por momentos difíceis, pode ser que esteja mais sensível e precise de um tempo maior para se adaptar. Você pode fazer a apresentação deles na rua, dar um bom passeio até que fiquem bem cansadinhos e só então leva-los para casa. Assim, você já baixa o nível de energia dos dois, a chance de um implica com o outro diminui bastante e aproveita para observar como os dois se comportam na presença um do outro.

  48. LILIAM BAGGIO disse:

    olá tenho uma cadela srd, Mille, de quase 3 anos, e de porte médio, 25 kg, e agora adotamos mais uma cadelinha de + ou – 2 meses de idade, também srd, a recepção foi tranquila no começo a Mille estranhou e ignorou a presença da filhote, mas no segundo dia já estavam brincando e correndo uma atrás da outra,só que agora no quarto dia a maior já tenta agarrar a menor pelo pescoço, até agora não pegou, tenho medo de que a Mille a machuque, e não queria deixar nenhuma presa, pois armam o maior escândalo inclusive a menor, como devo proceder

    1. BitCão disse:

      Olá Liliam, o ideal é mesmo você deixar as duas se entenderem, só interferindo se você notar algum comportamento mais agressivo por parte de uma delas. Quatro dias é muito pouco tempo para que uma se acostume com o jeito da outra e, aparentemente, elas estão se entendendo do jeito delas… O ideal mesmo é que elas fiquem juntas somente com supervisão, pois se a Mille se empolgar muito na brincadeira pode acabar machucando a filhota sem querer. Aos poucos a pequena vai crescendo e a chance de tudo se acalmar aumentará bastante. Agora uma perguntinha… você tem a intenção de castrar as duas? Seria muito bom já que cães do mesmo sexo podem ter tendências a brigar, fêmeas em especial na época do cio.

  49. Jéssica disse:

    Boa noite,
    Gostaria de saber a melhor forma de acabar com as brigas frequentes, até porque acredito que aqui em casa o fato de um filhote ter chego, e por ser muito pequeno acabamos mimando muito mais ele do que a nossa outra cadela, que até hoje não tem os privilegios que este cachorro mais novo tem. São duas SRD, a mais velha deve ter em torno de 4 anos e a mais nova tem 2 anos agora. Sempre brigam pela nossa atenção, e geralmente é a mais nova quem provoca, mas como ela é menor, acaba se machucando.. Não gostaria de doar nenhuma das duas, porque as duas já são nossos xodós, mesmo que a mais nova tenha “mordomias”, que a mais velha não tem…

    1. BitCão disse:

      Olá Jéssica, cães do mesmo sexo tem tendência a brigarem, ainda mais quando a questão da liderança fica bagunçada. O ideal seria não ter dado tantas mordomias para a mais nova, até porque a outra já estava na casa e, no caso dos cães, antiguidade é posto! Agora então que a mais nova está em plena fase adulta, pode ser mesmo que estas brigas piorem. O ideal seria castrar as duas, para evitar brigas ainda maiores durantes os cios e começar um trabalho de obediência básica com elas, para verem que a fêmea líder da casa é você, e não nenhuma delas.

  50. Vanessa disse:

    Oi eu tenho um cachorro idoso, de 11 anos chamado Maike,devido a idade ele tem diabete e esta cego de um olho,adotei mais um cachorro,uma femea de + ou -2 meses chamada Mel.Mel como todo o filhote tem mta energia e quer brincar o tempo todo e o Maike ñ!Ele morre de ciumes dela,ñ deixa ela chegar perto dele e ele qdo faz isso é tentando cruzar c ela.As brigas são a toda hora.Preciso de ajuda!Como faço p melhorar a convivencia deles?devo castra-lo?

    1. BitCão disse:

      Olá Vanessa, é normal cães mais velhos não terem paciência com os mais novos. Se ele não machuca a Mel, deixe que ele a discipline, para ela entender que ele não está gostando da brincadeira. Se ele for muito bruto com ela, você pode dar bronca nele. A questão dele “cruzar” com ela, não é ainda nada sexual, mas apenas dominância. QUanto a castrá-lo, seria ótimo para a sua saúde mas, pela idade, acho que não ajudaria muito comportamentalmente neste caso.