Voltar para os artigos

É um cachorro ou um cão-tor?

2316168796_c980982991_b

 

Blimblom.

– Quem chegou, Juju? Quem chegou? Corre lá pra ver, Juju!

– Au, au, auuuuuuuuuuu, auuuuuuuu, auuuu, grrrr, auuuu, auuuu! Tá bom assim, mamãe?

Alguns meses depois…

Blimmmmmblommmmm.

– Au, au, auuuuuuuuuuu, auuuuuuuu, auuuu, grrrr, auuuu, auuuu!

– Psssssittttt!! Para de latir, Juju! Coisa feia!! O vizinho vai reclamar de novo!

 

*****

 

A história é verídica: um juiz deu ganho de causa ao dono de um Rottweiler em ação impetrada pelo vizinho que reclamava dos constantes latidos do cachorro, sob alegação de que cães latem porque é da natureza deles, como é da natureza humana falar. Nem sempre, porém, topa-se com um magistrado tão esclarecido e, convenhamos, se o caso chegou aos tribunais, ou o vizinho é muito mala ou os latidos passaram do limite.

Mas, afinal, por que alguns cães latem mais do que outros? Ou melhor, por que latem? Muitas vezes a culpa é do próprio dono, que instiga o cão quando toca a campainha (Quem chegou, Totó? Corre pra ver!), que valoriza esse comportamento ou que não exercita seu amigo o suficiente. Bem, mas como fazer para que seu peludo não seja sério candidato a um programa de calouros, ou para que vocês não acabem nos tribunais? É o que vamos explicar agora.

 

ALERTA

Cães latem para avisar a matilha – você ou outros cães – que algum evento merece a atenção de todos, ou seja, “TEM ALGUMA COISA BAGUNÇANDO O NOSSO BARRACO, QUEM VAI LÁ VER QUE EU NÃO SOU TROUXA DE IR LÁ SOZINHO?”.

Conheço uma cachorra que late como se o mundo fosse acabar quando vê um gato do outro lado da rua. Outro que não admite que alguém se aproxime do portão – a dona já deixou de receber várias correspondências por isso. Outra que dá um salto olímpico em direção à porta ao ouvir a campainha, latindo como se não houvesse amanhã. Esse tipo de comportamento, associado ao territorialismo, pode parecer interessante quando se mora sozinho e se quer dar a impressão de que a casa está vigiada, mas torna-se um problema quando a família aumenta e o barulho acorda o bebê, quando o vizinho reclama ou quando se muda para um apartamento, onde as regras são mais rígidas. Outra questão – e bastante incômoda – é quando o bicho late o tempo todo, até sem razão aparente (quer dizer, razão existe, a gente é que precisa identificar).

Qual é a solução? Ensinar seu amigão a latir quando você deseja, ou pelo menos parar quando você mandar. Estudos comportamentais provam que quando um cachorro aprende um determinado comando para fazer alguma coisa, ele diminui sensivelmente a tendência de fazer esta mesma coisa sem comando. Ou seja, se ensinarmos o comando “late”, o totó tende a latir muito menos quando não estiver recebendo o comando. Como se ensina?  Fácil.  É só falar “late”, “late”, quando ele estiver latindo e enquanto você faz carinhos nele. Mas não dá para mandar o cachorro latir e depois deixar que ele continue para o resto da vida. Então…. Dê o comando “late” e depois de dois latidos, o comando “quieto”. Segure o fuço dele por alguns segundos se for preciso e, assim que ele parar, faça muito carinho.

 

CAMPAINHA

Latir para estranhos na porta pode até ser legal, mas tem cachorro que não para. O jeito, então, é descondicionar o danado. Peça para amigos, familiares e vizinhos pacientes (até mesmo porteiros amigos) para bater na porta, tocar a campainha ou interfonar, mas não atenda: simplesmente ignore. Repita várias vezes, em dias e horários diferentes, até que o cão entenda que nada acontece depois do barulho.  Se não puder contar com ninguém, fique do lado de fora, toque a campainha e vá dar uma voltinha.  Quando voltar, ignore o peludo até que ele esteja calmo para ganhar todos os carinhos que merece.

 

TERRITÓRIO

Alguns cães não admitem que ninguém se aproxime do carro quando estão dentro, pois o consideram parte do seu território, como as casas, e latem com vontade. Mas essa sensação de segurança, tão desejada nas grandes cidades, pode causar problemas se uma criança vier pedir algo na janela e o patudo avançar ou entender o frentista como inimigo. Se houver mais de um cachorro no carro, a excitação pode, inclusive, resultar em brigas, colocando você (e seus animais) em risco. Portanto, não incentive esse comportamento e use o comando “quieto” e “pare” quando o clima esquentar.

 

EXCITAÇÃO

Cães latem quando estão felizes por ver você ou uma pessoa querida. Ao entrar em casa, não fale nem faça carinho no bicho até que ele se acalme. Só então será hora do cafuné. Outra possibilidade é jogar um brinquedo assim que abrir a porta, associado ao comando “busca”.

 

CHAMAR ATENÇÃO

Você certamente já passou por isso: senta-se no sofá para ver o seriado preferido e o Júnior desata a latir, praticamente em frente à TV, pedindo carinho e atenção. Ou ele late loucamente se fica isolado na cozinha enquanto você recebe uma visita intolerante com pelos e patas. Se você parar o filme para fazer carinho ou liberá-lo do “confinamento”, o cachorro vai entender que latir é legal e o melhor meio de conseguir o que deseja. Se ele já estiver treinado, dê o comando “quieto” para que se acalme, e só então parta para os afagos ou solte o bicho. Se a sua “criOnça” ainda não entende este comando, melhor é ignorá-lo até que pare de latir (não é nada fácil!!).

 

TÉDIO

Cães que ficam muito tempo sozinhos – e entediados – gostam de “achar” outros cachorros para “bater papo”. O problema é quando isso acontece em um andar com oito apartamentos e a conversa evolui, praticamente, para um debate na Câmara dos Deputados, todos falando ao mesmo tempo. Exercite bastante o seu amigo antes de sair de casa para que ele aproveite a sua ausência para descansar, e não falar com os amigos. Deixe vários brinquedos e ossos disponíveis, garantindo o entretenimento.

 

TENDÊNCIA GENÉTICA

Raças mais falantes, como os Houds, Terriers e Pastores, devem aprender desde muito, mas muito cedo, quando podem ou não latir. Comece a ensinar o “late” e “quieto” o quanto antes. Se você pretende ter um cachorro e não quer muita conversa, literalmente, busque outras raças (ou compre um de pelúcia).

 

FALTA DE EXERCÍCIO

Exercite seu cachorro regularmente: ele precisa de rotina para evitar e aliviar estresse.  Dependendo da raça (como as citadas acima), o exercício físico é imprescindível para que ele tenha oportunidade de gastar toda a energia acumulada, além de manter o corpo em forma e saudável.

 

Fazer um cachorro não latir é o mesmo que pedir a uma pessoa para parar de falar para sempre e, a menos que ela esteja pensando seriamente em entrar para o convento das irmãs enclausuradas, não conseguirá ficar quieta por muito tempo. Se estivermos falando de uma criança, pior ainda – nem adianta brincar de vaca amarela. Seja consistente. Mudar um comportamento arraigado exige paciência e perseverança, mas é perfeitamente possível: ponha em prática as técnicas para ajudar o seu amigão a se controlar e só falar quando realmente tiver algo importante a dizer. 🙂

 

Regina Ramoska

Deixe um comentário 11 comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

11 comentários em “É um cachorro ou um cão-tor?”

  1. Brian disse:

    Olá! Tenho shtzu macho com 1 ano de alguns meses.
    Recentemente nos separamos por 03 meses, ele sempre ficou em casa sozinho (deixo a TV ligada), mas agora quando vou sair ele late e os latidos são altos e desesperados. Fora essa situação raramente late.

    Acho que ele desenvolveu crise de ansiedade por conta desse período de separação. Estou levando ele para fazer de 03 à 04 passeios por dia (10 minutos no máximo), mas não está sendo suficiente.

    Além disso, o que posso fazer?

    1. BitCão BitCão disse:

      Brian, passeios de 10 minutos não são nada para os cães, que precisam de muito exercício. Faça da sua saída um grande acontecimento: esconda os biscoitos, dê o brinquedo predileto, encha a bolinha de borracha de gostosuras, e se o seu cachorrinho estiver dormindo NÃO VÁ ACORDÁ-LO para se despedir. Esse texto deve te ajudar: https://www.bitcao.com.br/blog/ansiedade-de-separacao-ajude-seu-bicho/

  2. Carlos disse:

    Olá, tenho uma SRD de 1 ano e 9 meses. Acho que ela se acostumou aos horários da casa durante a semana, tem vezes que até acorda um pouco antes e fica latindo/chorando muito até que minha mãe levante e saia do quarto dela. Uns minutos depois de falar com minha mãe, ela volta pra cama dela e dorme tranquilamente, mas nós perdemos o sono kkkkkk. isso não nos deixa descansar bem, nem enrolar na cama por mais uns minutinhos, sem falar de nos acordar cedo nos dias de descanso. Vocês poderiam me ajudar com algumas dicas quanto ao que fazer a respeito? obrigado pela atenção

    1. BitCão BitCão disse:

      Carlos, os cães criam rotinas e têm uma incrível capacidade de “adestrar” os humanos. Ela se acostumou com a rotina e os horários da casa, mas ao ganhar atenção quando quer algo (sua mãe levanta quando ela chora), entende que será recompensada cada vez que chorar. O melhor é não atendê-la quando “exige” que vocês saiam da cama fora do horário. Aguentem firme e não levantem nem falem com ela. Com sorte a bichinha se acostumará a ficar quietinha rapidamente. Boa sorte!

  3. Cecilia disse:

    Oi! Estou com uma dúvida mas não achei nenhuma dica, por isso escrevo após esse artigo. Temos uma boxer de 3 meses que vive no quintal, temos bastante interação com ela e também temos um outro cão mais velho que lhe faz companhia, mas…. As portas da varanda são de vidro e não temos cortina, sempre que sentamos próximos a porta ela começa a arranhar o vidro. Eu entendo que não deva abrir a porta, caso contrário ela vai ter a “atenção” que ela busca, certo ou não? Alguma sugestão de como fazê-la entender que ela não pode arranhar o vidro? Obrigada!
    Cecilia

    1. BitCão disse:

      Olá Cecilia, tem que continuar ignorando o chamado dela… se abrirem a porta ela vai ver que conseguiu a atenção. Facilitaria bastante colocar uma cortina ou algo que bloqueasse a visão.

  4. TEREZINHA ROSA CAMILO disse:

    eu tenho um maltes que esta com 10 meses, mais eu estou apavorada com ele quando chega visitas, ele esta muito salientes com as pessoas de fora os de casa ele nao os faz, oque posso fazer,

    1. BitCão disse:

      Ola Terezinha, damos muuuuitas dicas no nosso artigo!

  5. Hildo Raimondi disse:

    Olá!
    Tenho um casal de Fox Paulistinha com 7 anos de idade, o Spot e a Meg.
    Entretanto o spot late muito e por nenhum motivo aparente às vezes.Late com frequência quando está passando pessoas na rua ou quando vê outro cão ou gato. Além destas alternativas, o que mais pode ser feito?

    Sem mais, agradeço a atenção.

    Parabéns pelo site, vem com excelentes dicas!

    Hildo

  6. Miriam Domingues disse:

    Tenho um pastor de shetland de quatro anos que late muito!!!ele não demonstra muito seus sentimentos desde pequeno ,não abana o rabo ,não “sorri” com os olhos,parece demonstrar alegria correndo pela sala ,pulando e gritando freneticamente!já fiz de tudo:florais,acupuntura ,tranquilizante.Ele vai todos os dias na escolinha para ser adestrado e gastar energia mas infelizmente sem muito resultado!achamos que ele tem alguma dificuldade mental como Autismo!já perdi a esperança de vê-lo agir como os outros cães,.
    Mesmo assim cubro esse anjo peludo com muito carinho(que ele não parece gostar) atenção e,uma vida confortável !Afinal,ele chegou a mim para ensinar alguma coisa,tenho que descobrir o que!!!Acho que é o amor incondicional!!!

  7. Andréa disse:

    Foi excelente a informação meu vizinho tem um cão que não para de latir quando ele.sai ..acho que será difícil de adestrá-lo a parar, pois ele já ficou latindo 4 dias quando o vizinho foi viajar.