Voltar para os artigos

Não castrar a fêmea pode ser fatal

Piometra: uma doença grave e silenciosa

A piometra é uma infecção bacteriana que afeta cadelas e gatas não castradas – ao pé da letra, significa pus no útero (em latim, “pio” é pus e “metra” útero). Ela ocorre ao longo da idade reprodutiva, podendo ser aberta ou fechada. No primeiro caso, o sintoma é corrimento vaginal com pus (em tons de amarelo, marrom ou rosa),com cheiro muito forte e desagradável, geralmente 60 dias depois do cio.

O segundo tipo de piometra, o fechado, é mais perigoso porque os sintomas se assemelham aos de outras doenças e podem demorar a ser identificados: fraqueza, falta de apetite, sede e excesso de xixi, ou até mesmo vômito e diarreia. Em geral, o dono só percebe o problema quando é tarde demais. Sem socorro rápido, o pus vai se acumulando no útero e, sem ter por onde sair, pode rompê-lo, causando peritonite, muitas vezes fatal.

Assim que o cio passa, com altos níveis de progesterona, o útero começa a produzir mais secreções, aumenta de tamanho, e sofre uma diminuição na quantidade de células de defesa, o que facilita a proliferação de bactérias. Caso a cadela não fique prenha por vários cios seguidos, o estímulo hormonal poderá engrossar as paredes uterinas e contribuir para a formação de cistos. Estes, por sua vez, produzem um líquido que fica retido no interior do útero e que cria um ambiente favorável ao crescimento de bactérias.

Os altos níveis de progesterona ainda inibem a contração do útero, que ajudaria a expelir líquidos ou bactérias acumuladas – elas podem ir para os rins pela corrente sanguínea e causar a morte do animal.

O diagnóstico da piometra se dá pela descrição de sintomas, hemograma para contagem de glóbulos brancos (leucócitos) e até raio-X – numa cadela ou gata normal, o útero não ficaria visível nesse procedimento.

O tratamento mais comum é cirúrgico, ou seja, a castração da fêmea com a retirada completa do útero e seu conteúdo tóxico. Em casos graves, a peludinha tem que ser estabilizada e tomar antibióticos antes do procedimento.

A piometra é um grande risco para animais não castrados, que pode ser facilmente prevenido com a castração por volta dos 5/6 meses – um ato simples pode significar a diferença entre a vida e a morte da sua cadela ou gatinha.

Deixe um comentário

2 Comentários em "Não castrar a fêmea pode ser fatal"

Notify of

Benedita mariano da silva
4 meses 18 dias atrás

Aminha cachorinha femia ela tei o naris seco o que eu poso faser os outrostei o narisumido o que eu presiso faser

4 meses 18 dias atrás

benedita, o ideal é consultar o veterinário.

wpDiscuz