Voltar para os artigos

Quando crescer ele para de roer! Será?

A grande maioria dos cães adoram brinquedos. É um fato inegável. E é fato também que os brinquedos são uma ótima maneira de se relacionar com seu peludo, mantê-lo ocupado, exercitar e gastar sua energia. Os filhotes desfrutam de um bom jogo de busca, desafiando sua força no cabo de guerra e procurando o prêmio em esconde-esconde. Alguns até adoram rasgar brinquedos de pelúcia – não é incomum encontrar uma trilha de enchimento, até chegar a uma carcaça de brinquedo vazia – ou têm como meta de vida a destruição de seus brinquedos de borracha. Dominar e conquistar completamente seus brinquedos faz parte da natureza canina. Isso é totalmente compreensível. 

Quais são os motivos de tanta destruição?

Troca dos dentes
O processo, que ocorre entre os três e seis meses de vida, é muito incômodo para o animal, que vai tentar aliviar a coceira roendo coisas. O comportamento geralmente cessa depois que os dentes permanentes aparecem.

Ansiedade de separação
Esta é uma das causas mais comuns do comportamento destrutivo em cães, particularmente daqueles que vêm de abrigos ou da rua. Os cães com ansiedade de separação tendem a apresentar comportamentos que refletem um forte apego aos seus donos, seguindo-os por toda parte, quase enlouquecendo quando seus humanos chegam em casa e mostrando-se arrasados quando ficam sozinhos.

Mudanças nos horários que obrigam o cão a ficar mais tempo sozinho, a morte ou perda de outro animal de estimação ou um período longe dos donos – férias, por exemplo – podem acentuar o problema. O peludo passa a latir demais, a fazer bagunça, destruir a casa por pura ansiedade, e castigá-lo só piora as coisas. É necessário usar técnicas de dessensibilização para ajudar o bichinho.

Medos e fobias
Cães que têm pânico de tempestade e ruídos altos podem tentar fugir do local onde estão, e não pouparão portas, molduras de portas, guarnições de janela e nem paredes. Além de sofrido demais para o bicho, ele pode se machucar seriamente.

Isolamento social ou tédio
Se os cães não têm oportunidade de interação social com seus donos ou outros animais, e nem mesmo brinquedos para chamar de seus, podem se divertir com o que acharem pela frente: seu tênis, aquele cashmere que custou uma grana ou o sofá dos sonhos que nem foi pago ainda.

Chamar atenção
Sem perceber, os donos acabam dando atenção ao cachorro destruidor quando o repreende após alguma “infração”. Para o cão, uma bronca é melhor do que ser ignorado.

Comportamento do jogo
Muitos donos “ensinam” seus peludos a serem destruidores, ainda mais os filhotes. Eles roubam um sapato e o humano sai correndo para recuperá-lo, ou acham engraçadinho quando o pequeno meliante faz um buraco no gramado. Sem perceber, estão reforçando comportamentos indesejados.

Comportamento investigativo
Cachorros adoram “investigar” novos locais e objetos, mas obviamente de formas diferentes dos humanos. A boca, por sinal, é essencial neste processo – que o digam os retrievers e filhotes, que adoram buscar e transportar coisas… com suas boquinhas repletas de dentes afiados.

Punição inapropriada
Punição excessiva por mau comportamento pode despertar ansiedade associada à presença do dono. Ele “sabe” que fez coisas erradas e vai levar bronca, e apronta mais ainda para aliviar a ansiedade.

Problemas médicos
Irritação gastrointestinal superior, dor de dente ou na gengiva podem causar mastigação destrutiva em cães adultos. Algumas doenças podem causar fome excessiva (polifagia). Consulte o seu veterinário se suspeitar desse problema.

Rotinas de alimentação inconsistentes
Um cão com fome pode destruir a casa à procura de comida.

Frustrações da barreira
Alguns cães tornam-se ansiosos e, portanto, destrutivos, quando confinados em pequenas áreas, como caixas de transporte ou quartos pequenos (banheiro, lavanderia).

Comportamento predatório
O peludo pode destruir portas, pisos e até paredes atrás de presas como roedores.

São inúmeros os problemas que podem resultar em comportamento destrutivo, e cada caso deve ser analisado com carinho. A punição não é a saída, pelo contrário: pode agravar casos de ansiedade e tornar o animal medroso. De nada adianta chegar em casa no final do dia e brigar com o bicho que destruiu o sofá às oito da manhã. Ele não vai fazer a associação como a gente imagina.

Para ter um cão bem-comportado é preciso exercitá-lo com regularidade. Não é suficiente uma voltinha na esquina de vez em quando para dar vazão a toda a energia que ele acumula. Se o cão for filhote (até aproximadamente 8 meses de vida) ou imaturo, é preciso providenciar um local seguro onde ele possa ficar restrito nas horas em que não houver alguém em casa para supervisioná-lo, ou mesmo durante a noite. Mesmo um “cão de guarda”, enquanto é bebê, deve ficar protegido de si mesmo durante a noite e quando não está sendo supervisionado, porque os peludinhos costumam fazer muita besteira quando entediados e podem acabar se machucando seriamente. Um cão nunca deve ficar confinado por mais do que quatro horas seguidas a não ser que seja durante a noite e ele esteja dormindo.

Atividades que promovem a interação entre o cão e o dono e que estimulam a cooperação e a obediência são insubstituíveis.

Picar e rasgar é uma coisa, mas por que eles comem os brinquedos?

Se os peludos encontram algo que querem muito vão fazer de tudo para obtê-lo, usando unhas e dentes, literalmente! Quem já não presenciou um peludo determinado a acabar com um brinquedo novinho?

Os loucos pelos apitos rasgam, mordem e evisceram o brinquedo até encontrar o plastiquinho que faz fiu-fiu. Os “estribuchadores” de plantão arranham, mastigam e puxam as costuras e o tecido até fazer o enchimento da pelúcia voar. Os “arrancadores” adoram passar as unhas ou meter os dentes e puxar tufos de cabelo do brinquedo com tanta determinação que às vezes você encontra vestígios presos entre os dentes.

Por que os cães comem brinquedos?

Há cada dia existe uma variedade maior de opções de brinquedos feitos de uma seleção crescente de materiais. Os filhotes não querem nem saber o que estão colocando a boca – isso é um trabalho para o humano – e também não consideram se é comestível ou seguro. 

Todos os pais de filhotes querem sempre que seus companheiros caninos tenham o máximo de diversão durante a brincadeira e que os brinquedos durem muuuuuito. Mas os peludos têm um olfato muito forte e são atraídos por quase tudo. São criaturas curiosas (vulgo intrometidas) que gostam de explorar o mundo com seus focinhos e bocas. Metendo a boca e mastigando é como os filhotes aprendem o que é comestível, o que é aceitável e o que é proibido. Chama-se Exploração Neurossensorial. Alguns cães deixam de tentar comer tudo à vista ou pegam itens aleatórios com a boca quando saem do estágio do filhote e, aqueles que não o fazem continuarão a comer seus brinquedos até o fim dos tempos.

Tédio, falta de estímulo e solidão podem levar seu filhote a destruir e comer seus brinquedos. O excesso de mastigação e trituração pode ser o seu pequeno dizendo que eles precisam de algo mais. Mais exercício, mais atenção, mais estímulo. O problema é que alguns cães não sabem quando parar. Eles rasgam, rasgam e mastigam até acabar em uma situação preocupante, como engolir um apito ou pedaço do brinquedo. Essa é uma situação que os pais filhotes de quatro patas devem evitar a todo custo!

Outro motivo pelo qual seu amigo pode querer comer tudo é um comportamento anormal que é a tendência de ingestão de itens não-alimentares. Esse distúrbio alimentar faz com que seu filhote tenha desejos por itens específicos que não têm absolutamente nenhum valor nutricional, e não apenas brinquedos. Roupa íntima, meias e pedras foram apontadas como os principais desejos dos cães que experimentam este comportamento. Se o seu amigo mostrar uma forte preferência por ingerir qualquer coisa que não seja comida e guloseimas, não hesite em falar com o veterinário.

É ruim para os cães comerem brinquedos?

Com certeza! Pequenas quantidades de enchimento podem passar facilmente pelo sistema digestivo do seu amigão e um fiapo de tecido pode até sair no cocô e nem ser notado, no entanto, é melhor evitar uma situação de risco e manter sempre uma supervisão, principalmente se o brinquedo for novidade, e retirar o objeto quando você notar marcas de perfuração ou pedaços se soltando, inclusive nos brinquedos de borracha. Qualquer coisa que não possa ser dissolvida no estômago pode criar um bloqueio muito sério e resultar em muitas visitas ao consultório do veterinário e, possivelmente, até em cirurgia.

Se você sabe que seu destruidor tem tendência a comer partes de brinquedos, sempre fique de olho nele. 

Sintomas de que seu filhote pode ter engolido uma parte de um brinquedo ou tem um bloqueio:

  • Vômito
  • Dor no abdômen
  • Letargia
  • Mudanças comportamentais
  • Constipação ou diarreia
  • Perda de apetite

Leve o seu filhote ao veterinário o mais rápido possível para discutir as opções de tratamento, se achar que ele engoliu objetos estranhos.

Como fazer meu cão parar de comer brinquedos?

Sim, sabemos que nem sempre você vai conseguir ficar de olho o tempo todo no seu filhote, mas, se o seu bichinho tem histórico de massacrar brinquedos de pelúcia enquanto você está ausente, a maneira mais fácil de interromper esse comportamento é não dar acesso aos brinquedos quando você não está junto. Se o seu amigo gosta de comer a penugem da bola de tênis, esconda a bola antes de sair. Ação preventiva é a melhor maneira de interromper esse comportamento.

A supervisão humana é extremamente importante com mastigadores agressivos que gostam de destruir brinquedos fofinhos e macios. Não é nada divertido encontrar um brinquedo todo picado e descobrir que estão faltando todos os apitos. Os brinquedos em geral são destinados a incentivar a interação entre o cão e o proprietário. Brincar junto com seu filhote de quatro patas é um momento que você deve usar como ferramenta para se relacionar com seu amigo peludo, garantir que ele esteja gastando energia, eliminando o tédio, estimulando a mente e garantindo que nada de estranho seja engolido!

Existem brinquedos indestrutíveis?

Embora não exista um brinquedo indestrutível, ajudará se o seu filhote enfrentar um desafio maior do que a boca dele consegue trucidar, utilizando materiais em um nível maior de durabilidade. Por exemplo: se eles atacam facilmente brinquedos macios, tente brinquedos macios revestidos em nylon ou feitos de material de mangueira de incêndio.

Para os mastigadores mais agressivos que tiram pedaços de brinquedos de borracha do tipo KONG, considere brinquedos com materiais mais resistentes, misturas de borracha e nylon, ou somente nylon. Outra coisa importante é escolher produtos que tenham poucos pontos fracos, sem costuras, sem pontinhas e saliências.

Gaste o tempo que for preciso para encontrar o brinquedo certo para o seu cachorro mastigar. Invista em qualidade e mantenha a caixa de brinquedos sempre abastecida de coisas interessantes. Mantenha seu amigo peludo ocupado com brinquedos inovadores e guloseimas dignas de babar. Se o patudo é do tipo super mastigador, você precisa garantir que ele esteja recebendo brinquedos com o nível certo de durabilidade. Não ter brinquedos não é uma alternativa inteligente porque o “boca-nervosa” vai atacar os objetos da residência, e até mesmo o para-choques do carro!!! E aí, salve-se quem puder!!!

Cláudia Pizzolatto com adaptação parcial do Barkpost.

Deixe um comentário 1 comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.