Voltar para os artigos

São tantas emocães!

Dogs_Love

São inúmeras as discussões sobre os sentimentos dos animais. Eles sentem saudade? Amam como nós? Ficam tristes? Envergonhados? Diversos estudos afirmam que os bichos são capazes de sentir emoções primárias – medo, raiva, repulsa, surpresa, alegria e tristeza ­– e também emoções sociais como simpatia, constrangimento, vergonha, culpa, orgulho, inveja, admiração, ciúme, gratidão, contentamento e indignação. Segundo os estudiosos, não se trata de antropomorfizar (atribuir características humanas a animais),e sim identificar semelhanças no comportamento usando a linguagem humana para “traduzi-la”. Ou seja, o que vemos “do lado de fora” – no olhar, no movimento na cauda, na expressão facial, etc. – nos diz muito sobre o que se passa na cabeça e no coração de nossos peludos. A maioria das pessoas pode “ler” as emoções de seu cão com bastante facilidade. Por exemplo, você chega em casa e seu amigão dança balançando o rabo. Você pensa: “Tutu está feliz em me ver e realmente me ama”. Ou, numa caminhada, ao encontrar com outro cão o seu congela, os pelos da nuca se eriçam e ele faz cara de poucos amigos – talvez Rex não tenha “ido com a cara” do novo colega.

Outra corrente de pesquisas compara a mente dos cães às de crianças de até dois anos e meio, argumentando que nossos peludos podem ter emoções básicas – alegria, medo, raiva, desgosto, amor – mas não experimentam as mais complexas, como a culpa, orgulho e vergonha. Bem, quem já viu seu cachorro se esconder porque virou o lixo e sabe que vai levar bronca discorda! Mas o que nós, donos de peludos, chamamos de vergonha é medo para os cientistas: seu cão tenha aprendido que quando você aparece e vê a bagunça, coisas ruins acontecem com ele (mesmo apenas uma bronca). Mas, sob essa ótica, seu peludo não se sentirá envergonhado se tiver de vestir a fantasia do Pateta. : )

Em um ponto, porém, as pesquisas são unânimes: os cães têm as mesmas estruturas cerebrais que produzem emoções em seres humanos, e seus hormônios também sofrem alterações químicas que influenciam nos estados emocionais – um exemplo é a oxitocina, em humanos associada ao sentimento de amor e carinho. Nesse sentido, segundo os pesquisadores, é razoável sugerir que os cães tenham emoções semelhantes às nossas, embora não sejam as mesmas. Será?

Quem convive com esses bichos adoráveis não precisa de estudos para entender como eles sentem e demonstram suas emoções. Quando estamos tristes, é comum que nossos bichos entrem na mesma sintonia, parem de brincar e até de comer. Ficam próximos observando (e respeitando) nosso momento, ou deitam a cabeça em nosso colo, ou lambem nossas lágrimas (o que muitas vezes nos faz chorar ainda mais). Mas os cientistas insistem que isso não significa que eles sintam empatia, e sim que podem identificar tristeza como uma emoção diferente de outros sentimentos. Quando estamos radiantes, eles também comemoram e entram em nossa sintonia.

Isso porque, para o animal, o dono é o centro do universo, fato comprovado por outro estudo, que colocou cães em uma máquina de ressonância magnética para revelar o que lhes dava mais prazer. Foram apresentados cinco cheiros diferentes, sendo um do dono, justamente o que ativou uma região específica do cérebro responsável por alegria e recompensa. Isso pode acontecer, também, quando o bichão tem uma ligação especial com outro animal. Separados, podem adoecer ou esperar por seus companheiros e donos no último lugar onde estiveram juntos – quem já não derramou muitas e muitas lágrimas no filme Sempre ao seu lado?

Embora ainda não esteja claro se os cães têm noção de tempo, a pesquisa sugere que eles cumprimentam seus donos mais efusivamente quando deixados sozinhos por duas horas do que apenas 30 minutos. Se você já saiu de férias sem o seu amigão, tem certeza que o que ele sente, mesmo, é saudades.

 

Regina Ramoska e Cláudia Pizzolatto

Deixe um comentário

1 Comentário em "São tantas emocães!"

Notify of

2 anos 3 meses atrás
O texto e a temática dessas pesquisas são super pertinentes, apesar de que quem convive de verdade com seu bichinho não precisa de nenhuma pesquisa para saber que os animais têm sentimentos sim. O meu filhinho Tommy (auau) demonstra frequentemente alegria e ciúme. Quando ele faz algo errado e leva uma bronca, ele não sente medo (se a bronca vier de mim),ele sente vergonha mesmo (e, muito envergonhado, pede desculpas),então, neste ponto acho que a pesquisa ainda precisa evoluir. De qualquer forma, várias coisas e informações que dizem que os cachorros não fazem, é diferente com o meu.… Read more »
wpDiscuz