Voltar para os artigos

Seu cachorro ronca?

12715363_1542338206095512_2389711436879157083_2

Dizem que o amor é cego, mudo e surdo. Bom, provavelmente quem inventou este ditado nunca se apaixonou por alguém que ronca, porque, ó, não é fácil amar uma locomotiva. Haja cutucão no meio da noite, vira pro outro lado benhê e coisa e tal. Mas e quando quem ronca é seu cachorro, e pior, ronca até acordado?

Obesidade, alergias e infecções estão entre os motivos que levam o bicho a roncar, mas é importante distinguir se existe alguma dificuldade respiratória por conta do bloqueio na passagem do ar pelo trato respiratório superior, ou seja, quando o fluxo é parcialmente interrompido no percurso que faz das narinas até a traqueia. Mas, como saber? Seu cachorro terá de dormir no consultório? Bem, é provável que o seu peludinho tenha dificuldade para entrar em sono profundo quando estiver fuço a cara com o veterinário, mas não se preocupe: o doutor sabe identificar se o ronco pode trazer problemas de saúde ou se basta você providenciar um par de tampões para os ouvidos.

A obstrução na respiração é bastante comum em raças braquicefálicas (de focinho achatado) como o Buldogue francês e inglês, Pug, Lhasa apso, Boxer e Shih-tzu, por exemplo, por conta da anatomia da cavidade nasal, palato e laringe – digamos que é um “defeito no projeto” que faz com que eles ronquem, em alguns casos o tempo todo. É que as raças braquicefálicas foram criadas para ter o maxilar inferior normal, ou seja, proporcional ao seu tamanho corporal, e um maxilar superior recuado – daí o focinho achatado e alguns probleminhas como estenose das narinas (narinas estreitas), palato mole alongado (que ao tocar a laringe cria sons de ronco) e hipoplasia traqueal (quando a traqueia estreita em alguns pontos).

As narinas estreitas fazem com que esses adoráveis peludinhos de cara achatada tenham ataques de calor, pois não conseguem respirar para resfriar o corpo (a troca de calor acontece pela boca e pelas solas das patas), e podem até mesmo vir a óbito (morte súbita). A dificuldade em respirar também atrapalha o bicho em brincadeiras mais intensas ou caminhadas longas.

Nem todos os cães de focinho curto têm a síndrome de respiração braquicefálica, e nem todos os donos percebem a tempo que o seu amigão precisa de cuidados especiais. Para chamar a atenção para as especificidades desses peludos, a Dra. Ana Maria Barros Soares, do Hospital Universitário de Medicina Veterinária da Universidade Federal Fluminense (RJ), criou o Projeto Narizinho. Além do trabalho de conscientização junto aos donos e criadores, a instituição realiza cirurgias como a rinoplastia, que abre as narinas dos animais, melhorando a sua respiração e qualidade de vida.

 

A BitCão conversou com o médico veterinário Aguinaldo Mendes Jr., um dos coordenadores do projeto, para tirar as principais dúvidas sobre o procedimento.

 

O procedimento pode ser feito em qualquer cachorro que tem dificuldade de respirar?

O procedimento cirúrgico (rinoplastia) é indicado para todos os cães que apresentam estenose de narina (narina fechada), sendo mais encontrada em raças braquiocefálicas como Pug, Buldogue francês, Buldogue inglês, Shih-tzu, entre outros.

 

Quais são os problemas de saúde que podem ocorrer devido à respiração ruim? Que sinais devo observar para saber se meu bicho precisa operar?

Os sinais clínicos variam de acordo com a intensidade de oclusão do fluxo de ar nas vias aéreas superiores (de suaves a graves), e podem se agravar em temperaturas elevadas, estresse e exercícios físicos extenuantes.

Os animais apresentam frequentemente:

  • Dispneia severa (dificuldade em respirar)
  • Tosse, alteração vocal, tentativas de vômito, engasgos, espirro reverso, agonia respiratória e síncope.
  • Hipertermia (superaquecimento) devido à dificuldade em regular a temperatura corporal
  • Alterações cardiovasculares que podem levar à síncope, desmaio, intolerância ao exercício.
  • Além de hipertensão pulmonar, edema pulmonar agudo.

 

A recuperação é difícil? Demora em média quantos dias?

O animal operado volta para casa no mesmo dia, mas é fundamental que use o colar elisabetano por 5 a 7 dias e mantenha repouso por uma semana; a retirada dos pontos ocorre em 2 semanas.

 

Qual é a idade ideal para fazer a cirurgia?

Adultos de qualquer idade e filhotes após o término do protocolo vacinal inicial (geralmente após 4 meses de idade).  Lembre-se que na síndrome do braquicéfalo algumas alterações são secundárias e aparecem ou se agravam com a idade e a sobrecarga crônica. Ou seja, quanto antes for realizada a cirurgia, menor a chance de desenvolvimento dessas alterações secundárias e melhor o prognóstico.

 

É uma cirurgia arriscada?

É um procedimento simples, pouco invasivo, onde retiramos uma porção do tecido da narina. Cada narina leva de dois a três pontos. A anestesia é inalatória e o ato cirúrgico leva de 20 a 30 minutos. A melhora clínica é evidente.

 

É muito caro?

Os custos estão relacionados aos exames pré e pós-operatórios e material de consumo utilizado no procedimento.

 

Quem faz essa cirurgia?

No Rio de Janeiro a cirurgia é realizada no Hospital Veterinário Universitário da UFF, em Niterói. As consultas devem ser agendadas com o médico veterinário Aguinaldo Mendes Jr. pelo telefone 21-980256745. Se você mora em outro Estado, converse com seu veterinário.

 

Regina Ramoska

Deixe um comentário 1 comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

1 comentário em “Seu cachorro ronca?”

  1. Ana Maria Tosetti Leal disse:

    Parabéns BitCão, por mais um artigo esclarecedor e conscientizador!