Voltar para os artigos

Uma bola não é apenas uma bola

bola para cachorro

Todo cachorro adora bolinhas. Grandes, pequenas, de pelúcia, de borracha, macias, maciças… Tem bolinhas com alça, com cravo, com apito, bola com outra bola! Bolas todos os cães. Mas por que os cachorros gostam tanto de bolinhas? Entre os vários motivos, dois são os principais:

– A bolinha cumpre bem o modelo de “presa”, de caça, que eles iriam encontrar naturalmente se ainda fossem cães que lutassem pela sobrevivência. As bolinhas “correm”, pulam tentando “fugir”, até serem finalmente capturadas e mordidas até “morrerem”. Já imaginaram quanto prazer este exercício dá? O quanto é bom poder exercer um instinto tão primitivo e importante?

– Nós gostamos de jogar bolinha e vê-los correndo, quase livres de toda a opressão urbana. Nossos cães são ultrassensíveis aos nossos gostos e adoram ganhar atenção e carinho. A interação com bolinhas faz com que eles se sintam apreciados e recompensados por todo o carinho e lealdade que nos dedicam.
Por isso os Terriers adoram, os cães de guarda adoram, os hounds adoram, os cães de companhia adoram, e os Retrievers, então, nem se fala!

 

E tem diferença entre uma bolinha ou outra?

Sim! Algumas são óbvias, outras são mais sutis, mas é bom lembrar que quanto mais brinquedos e com mais texturas o seu peludo tiver, mais ele se sentirá estimulado a brincar com as coisas dele, e não com os seus sapatos, controles-remotos, livros e outras coisinhas impróprias. Bolas para cachorro com textura, por exemplo, intensificam o prazer da perseguição e da caça, pois além de quicarem de forma imprevisível, os espetinhos de borracha fazem o peludo “sentir” a bola na boca. Bolas com saliências são ótimas para filhotes na troca de dentição ou para os idosinhos, pois massageiam as gengivas.

Bolas maciças contribuem para o prazer da recompensa em caçar, já que o peludo se sente orgulhoso em carregar seu prêmio, pesado e valioso.

Bolas para cachorro com alça são ideais para cachorros velozes, especialmente em grandes espaços como parques. A alça ajuda a lançar a bola com muito mais força, em distâncias muito mais longas, sem deixar o nosso cotovelo e ombro destruídos.

É importante, sempre, oferecer ao peludo uma bola (e isso vale também para os outros brinquedos) com tamanho compatível ao porte do seu amigão, tanto para evitar acidentes quanto para que o brinquedo tenha a durabilidade certa. As bolas pequenas são adequadas para cães de pequeno porte e filhotes, principalmente se forem macias. As grandes, indicadas para os peludões e também para os Terriers, que curtem como ninguém uma perseguição difícil. Justamente porque eles não conseguem “abocanhar a presa” de uma só vez, ficam vidrados neste desafio.

Os “pelinhos” das bolas de tênis agradam cães que adoram “estripar” brinquedos de pelúcia – é perigoso se o bichão engolir. Mas, se o seu amigão é daqueles que não sossega enquanto não descascar toda a presa, ops, a bola, só ofereça com supervisão. Quem mora em apartamento e tem vizinhos chatos (e sem cachorro) não precisa evitar a farra. Basta escolher os modelos em pelúcia ou borracha macia.

Bolas com puxador são perfeitas para quem tem mais de um cachorro, ainda mais se eles gostarem de brincar de brincar de cabo-de-guerra. As bolas “recheáveis” podem guardar surpresas extras, como petiscos e gostosuras, que tornam-se um desafio extra para o seu cãozinho. Perfeita para cachorrinhos gulosos, ou que só ficam quietos quando algo realmente arrebata sua atenção.

 

Agora a pergunta que não quer calar:  Como ensinar o cão a trazer a bolinha?

A melhor maneira é não correr e não puxar a bolinha da boca dele (lembre-se a brincadeira deve ser “ele solta a bola e eu jogo” e não cabo-de-guerra).

Comece a treinar o seu peludo sempre com coleira e guia. Primeiro jogue a bolinha sempre perto, deixe-o pegar e puxe o peludo gentilmente até você. Faça-o soltar a bola, colocando o seu dedo indicador na língua dele e fazendo uma leve pressão para baixo. Assim que a bola for solta, encha o peludo de carinhos e jogue a bola novamente. Repita várias vezes, mas não a ponto do peludo perder o interesse.

O importante é parar a brincadeira enquanto ele ainda está interessado e disposto a brincar. Caso o peludo não vá buscar ou não devolva a bola, simplesmente pare de brincar e GUARDE a bolinha. Não deixe seu cão brincar com ela sozinho. Quando esta fase já estiver muito fácil é hora de aumentar os desafios.

Repita os exercícios, mas desta vez use uma guia longa, de 7 metros de comprimento. Só permita que ele corra livremente quando estiver voltando e soltando a bolinha sem que você tenha de puxar a guia.

Deixe um comentário

3 Comentários em "Uma bola não é apenas uma bola"

Notify of

Joao Barcelo
7 meses 24 dias atrás

O meu labrador aprendeu quando era filhote, o ensinei na verdade com uma garrafinha pet rsrs

Karla
2 anos 8 meses atrás

Andrea, experimente comprar corda de sisal (faz nó nas duas pontas) e brincar com ele de cabo de guerra, isso costuma acalmar meu labrador quando ele está com muita energia. Não deixe a corda a vontade, guarde e só dê à ele quando você estiver junto.
Espero que isso te ajude..

Andrea
2 anos 8 meses atrás

Tenho um labrador de dois anos e ele nunca devolve a bolinha.
Aliás, ele adora correr atrás da bolinha e fugir para mastigar.
Ele mastiga tudo: de bolinhas a madeira, de plantas a cobertores e toalhas.
Passeio com ele todos os dias, pelo menos uma hora, brinco, dou carinho, mas ele continua mastigando tudo.
Até mesmo quando quero dar carinho, ele não consegue ficar quieto por muito tempo: começa a mastigar meu braço…
Já passou por adestramento, mas não deu muito certo.

wpDiscuz